Mais de 260 mil visitantes nos museus do Norte de Portugal

Os sete museus sob alçada da Direção Regional de Cultura do Norte (DRCN) acolheram, durante o primeiro semestre de 2016, mais 8,5% visitantes em relação ao período homólogo, totalizando 260.185 entradas. Este aumento acompanha a tendência global do último ano em que a subida registada – apenas nos museus – foi de 12,5%, quando comparada com os dados de 2014.

O Paço dos Duques de Bragança, em Guimarães, continua a ser o espaço museológico que mais visitantes atrai, registando um total de 148.287 entradas, o que se traduz numa subida de 7,9%.

Tendo reaberto ao público em meados de 2014, após uma intervenção de requalificação que englobou a conservação e reabilitação das coberturas e paramentos, bem como uma ampla reorganização do circuito museológico e revisão das redes e infra-estruturas de serviço, o Museu da Terra de Miranda, em Miranda do Douro, foi o espaço museológico que mais viu crescer o número de visitantes durante o segundo semestre de 2016, aumentando 40,6%.

Também o Museu dos Biscainhos, em Braga, tem vindo a registar um aumento exponencial de visitantes ao longo deste ano de 2016, tendo registado um aumento de 36,5% no primeiro semestre, em relação ao período homólogo.

Também o Museu de Alberto Sampaio, em Guimarães, cresceu de forma sustentada, aumentando em 31,8% o número de visitantes.

Na análise por nacionalidade dos públicos, constata-se que o museu de Lamego e o Paço dos Duques registaram, no período considerado, uma maior afluência de visitantes estrangeiros.

Sob a alçada do DRCN contam-se o Museu do Abade Baçal (Bragança), Museu de Alberto Sampaio (Guimarães), Museu de Arqueologia D. Diogo de Sousa (Braga), Museu dos Biscainhos (Braga), Museu de Lamego, Museu da Terra de Miranda (Miranda do Douro) e Paço dos Duques de Bragança (Guimarães).