29º CNHT: AHP preocupada com escassez de recursos humanos

A escassez dos recursos humanos no turismo e, em particular, na hotelaria, as limitações que o aeroporto de Lisboa impõe ao crescimento turístico e as assimetrias regionais foram três das preocupações apontadas por Raul Martins na abertura do 29º Congresso Nacional da Hotelaria e Turismo que decorre em Coimbra.

Os sucessivos recordes do turismo português e os bons resultados da hotelaria não devem, segundo o presidente da Associação da Hotelaria de Portugal, Raul Martins, fazer esquecer preocupações que têm a ver com a construção do futuro desta actividade económica.

Entre estas apontou a escassez de recursos humanos que já se vai fazendo sentir no turismo em geral, na hotelaria em particular. “A escassez de recursos humanos dedicados ao Turismo, a dificuldade na captação, retenção, formação de pessoas, (…), é sentida com premência por todos os empresários hoteleiros, de todas as categorias de estrelas, em todos os destinos nacionais”, afirmou Raul Martins. Referiu também os contratos colectivos de trabalho que, na óptica dos hoteleiros “não ajudam”, “estão obsoletos e não respondem às modernas formas de organização e novas funções da hotelaria”, pelo que “não satisfazem nem empregadores, nem os novos colaboradores da nossa indústria”.

Outra preocupação, as assimetrias regionais em matéria de procura turística: “Enquanto nos destinos urbanos mais maduros a pressão turística está a ter impacto sobre a habitação e infra estruturas públicas, designadamente transportes, começando a adivinhar-se algum descontentamento, o resto do país precisa que a procura aumente”, afirmou.

Os limites à procura turística impostos pelo aeroporto de Lisboa que “está esgotado em termos de capacidade de crescimento”, o aparecimento de novos destinos concorrentes e novas formas de alojamento, as alterações climáticas e o terrorismo foram outras das preocupações apontadas por Raul Martins.