29º CNHT: Instrumentos financeiros imprescindíveis para a dinamização da oferta, sublinhou Manuel Caldeira Cabral

No encerramento do 29º Congresso Nacional da Hotelaria e Turismo, o ministro da Economia destacou o “enorme crescimento” da procura turística, afirmando que para lhe fazer face tem que haver dinamismo por parte da oferta, o que tem sido conseguido através dos instrumentos financeiros de financiamento que têm sido lançados pelo Governo.

O “enorme crescimento” da procura precisava de uma dinamização da oferta e esta faz-se pelos instrumentos financeiros, disse Manuel Caldeira Cabral, sublinhando que o Governo tem lançado “um conjunto importante de instrumentos financeiros de financiamento à requalificação da oferta turística, ao investimento no turismo ou instrumentos do Portugal 2020”.Neste último caso, afirmou, “já colocámos em mais de três centenas de projectos hoteleiros o valor de mais de 300 milhões [de euros] de investimento, quer em novas unidades, quer principalmente em melhoramento, expansão e renovação das unidades já existentes”.

Adiantando que “são mais de 90 hotéis que vão abrir este ano e no próximo”, explicou que este “aumento da oferta que responde ao enorme aumento da procura” que “está a ser sustentável porque mais disperso por todo o país”, “porque está a acontecer ao longo do ano” e também porque o aumento da procura “não está a ser apenas em quantidade”.

Este ano, disse, “estamos a ter um aumento de 18% no número de turistas mas estamos a ter um aumento muito superior dos proveitos da hotelaria e um aumento muito superior das receitas do turismo” que “é quase o dobro” do aumento de turistas. Para o governante, tal significa que “o turismo está a crescer também em qualidade, não está a crescer apenas em número mas também em preço e em valor”, o que, garantiu, “tem muito a ver com o esforço das unidades hoteleiras na melhoria da qualidade, na diversificação, com a criatividade dos projectos inovadores que diferenciam a oferta”.