43º Congresso APAVT: Distribuição “é um sector que tem de exigir respeito”

A afirmação foi proferida pelo presidente da APAVT, Pedro Costa Ferreira, no encerramento do 43º Congresso da Associação que decorreu em Macau. Na mesma sessão, o presidente da Confederação do Turismo Português, Francisco Calheiros falaria essencialmente de preocupações, nomeadamente as relativas ao OE para 2018.

 

Do congresso, Pedro Costa Ferreira fez um balanço muito positivo muito por via dos “oradores fantásticos” que reuniu e que implicou que houvesse “conteúdos muito ricos e conclusões importantes”.

Num congresso em que ficou clara “a importância do oriente, e a necessidade de utilizar Macau e Portugal como artífices de uma relação maior, que inclua a China, a Europa e a lusofonia”, o presidente da APAVT pôs a tónica da sua intervenção na importância económica e social do sector da distribuição:  “Um sector que atrai mais novas empresas do que a média da economia nacional (…), que cresceu nos últimos quatro anos mais do que a economia nacional, (…) que tem uma dimensão média das empresas superior à média da economia nacional (…), contrata pessoal mais qualificado do que a média do sector, e do que a média da economia nacional (…) que cresceu nos últimos quatro anos, mais do que a economia portuguesa no seu todo (…) e representa, em valor directo , indirecto e induzido, 3.242 milhões de euros, cerca de 2,1% do PIB nacional, cerca de 18 vezes o VAB da Autoeuropa, cerca de 75% do VAB de todo o grupo EDP, é um sector que não deve pedir respeito, é um sector que tem de exigir respeito!”, afirmou Pedro Costa Ferreira.

Também no encerramento, o presidente da Confederação do Turismo Português afirmou-se preocupado face ao Orçamento do Estado para 2018, desde logo porque, na sua opinião, “se perdeu mais uma oportunidade de se fazerem importantes reformas”.

Alertando que o agravamento da carga fiscal é inimigo do investimento, Francisco Calheiros apontou ainda como preocupações o aumento do salário mínimo e a possibilidade de a legislação laboral vir a estar em cima da mesa, além do estrangulamento que o aeroporto de Lisboa impõe ao crescimento do turismo.

Na sua intervenção Francisco Calheiros falaria sobre o “erro da não dedutibilidade do IVA” que impende sobre o MICE, afirmando tratar-se de “uma luta que não podemos perder”.

Já a directora dos Serviços de Turismo de Macau, Maria Helena de Senna Fernandes, subiu ao palco para mostrar o seu apreço pela APAVT que considerou “fundamental para manter a ligação dos agentes de viagens portugueses a Macau”.

*Turisver.com em Macau, a convite da APAVT