43º Congresso APAVT: “Negócio da VEM foi a decisão estratégica mais importante tomada pela equipa de Fernando Pinto”

A afirmação foi proferida por Diogo Lacerda Machado, administrador não executivo da TAP, no 43º Congresso da APAVT, em Macau. Tendo sido um dos protagonistas do negócio da VEM, Diogo Lacerda Machado afirmou também que se este negócio não se tivesse realizado, a TAP não seria o que é hoje.

“O negócio da VEM foi a decisão estratégica mais importante tomada pela equipa do Eng. Fernando Pinto nos 15/16 anos em que estiveram sozinhos” à frente da empresa, afirmou Lacerda Machado, acrescentando que “a TAP é, de longe, a maior operadora estrangeira do Brasil” e que “em nove dos últimos 10 anos, o Brasil gerou mais receitas para a TAP do que Portugal”.

Classificando o negócio da VEM como uma “operação de absoluta neutralidade financeira”, Diogo Lacerda Machado, explicou que “se a TAP não tem feito a tentativa de salvar a Varig (…) com a anuência expressa e pública, quer do governo de Portugal, quer do governo brasileiro, jamais a TAP teria tido condições para ser o que hoje é no Brasil (…), para ser a companhia que é hoje e para ter chegado onde chegou”.

“O Brasil é o melhor da TAP”, concluiu Lacerda Machado, destacando que “será ainda a segunda maior empresa de engenharia e manutenção aeronáutica do hemisfério sul e que, além disso, é hoje, de novo, “um caso muito sério de competitividade”.

*Turisver.com em Macau, a convite da APAVT