6º SVN: Fundo para captação de grandes congressos vai continuar, avança secretário de Estado do Turismo

Referindo-se à importância que o turismo de negócios – um dos produtos turísticos estratégicos previstos no PENT – assume no contexto global do turismo em Portugal, o secretário de Estado do Turismo revelou, na abertura da 6ª edição do Salão de Viagens de Negócios, ter já aprovado a continuidade do fundo para a captação de grandes congressos internacionais. ?Por estar ciente da importância que tem este segmento, aprovei recentemente a continuidade do fundo da captação de grandes congressos internacionais que vai financiar esse trabalho de captação proactiva de eventos para Portugal que facilitem ou favoreçam a celebração de negócios?. Sem adiantar em que moldes será continuado este fundo nem qual será a sua dotação e prazo, o titular da pasta do turismo afirmou ainda: ?Estarei empenhado em contribuir para a captação de grandes congressos internacionais, como aquele que vai acontecer em Junho, o maior de sempre, onde se prevê cerca de 25 mil participantes, e cuja captação o governo apoiou? ? um apoio dado pela sua antecessora, Cecília Meireles, como aliás Adolfo Mesquita Nunes sublinhou. Para Adolfo Mesquita Nunes, a captação de grandes congressos internacionais é um ?trabalho que temos que fazer em conjunto e em que estamos particularmente empenhados?. Tanto assim que vai também ser feito ?um esforço no apoio à qualificação das infra-estruturas e estruturas de suporte através do QREN, e das linhas de protocolo bancário e outros?. E porque o tema que estava em cima da mesa era o do turismo de negócios e dos congressos, o responsável admitiu que Portugal necessita de um Centro de Congressos de grandes dimensões para que possa ?competir noutro patamar com os destinos líderes nesta matéria?. Com frontalidade?, conforme aliás sublinhou, o secretário de Estado do Turismo deixou claro que ?esse investimento cabe, em primeiro lugar, aos privados e em segundo lugar ao governo que o pode apoiar?. No entanto, acrescentou, ?a iniciativa, essa, tem que ser dos privados?, cabendo ao secretário de Estado da Tutela ?aplicar os instrumentos de apoio financeiro que existem e dar-vos o apoio com que podem contar, algo para o que, afirmou, ?estarei disponível?. Na sua intervenção, Adolfo Mesquita Nunes referiu-se várias vezes à iniciativa privada e aos profissionais do sector, nomeadamente no que se referia ao turismo de negócios que disse estar longe de ser um ?parente pobre do turismo?. Pelo contrário, o secretário de Estado considerou-o estratégico, não porque o PENT o define como tal mas sim ?porque os profissionais do sector fizeram dele estratégico?. M.F.