Mais de 87 mil portugueses visitaram Marrocos em 2017

O número de turistas portugueses que fizeram férias o ano passado em Marrocos cresceu 26% face a 2016, totalizando 87 mil entradas, enquanto as dormidas aumentaram 21% quando comparado ao ano anterior, revelou Abdellatif Achachi, director-geral da Delegação Oficial de Turismo daquele país em Portugal.

A responsável que falava esta terça-feira em Lisboa, na apresentação à Imprensa da BTL 2018, sublinhou que este “espectacular” desempenho deve-se ao compromisso de diversos actores em Portugal, que passam nomeadamente pelos operadores turísticos, uma vez que 75% das dormidas dos portugueses no seu país foram cumpridas através de pacotes turísticos.

Por outro lado, Abdellatif Achachi realçou “o trabalho gigante” da TAP na programação de voos directos para Marrocos, para lembrar que, em dois meses, desde que a transportadora aérea portuguesa lançou a sua operação directa para Fez, as dormidas na cidade subiram 50%, uma parceria que considerou “privilegiada para o desenvolvimento do turismo de Marrocos em Portugal”.

Refira-se que Marrocos, que participa desde a primeira edição desta Feira, é o país convidado da 30ª edição da BTL. “Vamos aproveitar esta posição privilegiada para reforçar as nossas bases em Portugal”, disse Abdellatif Achachi a este propósito, para recordar a posição que o seu país ocupa em Portugal em termos de destinos turísticos.

Os visitantes da BTL 2018 vão ter a oportunidade de ficar a conhecer melhor este destino através das suas principais atracções turísticas e a diversidade que o caracteriza, desde o sol e praia, deserto e exotismo, transversal a todo o país.

A participação de Marrocos contará com 12 co-expositores entre os quais três regiões de turismo, numa área de 108 m2, com um stand com um design que permite dar a conhecer um pouco da sua autenticidade, mas também funcional para possibilitar aos profissionais marroquinos concretizar mais e melhores negócios.

O espaço de exposição de Marrocos na BTL será animado com a tradicional cerimónia de chá, artesãos a trabalhar ao vivo (calígrafo, tatuagem de hena e cinzelagem do cobre, e música tradicional.