Abertura em 2018: Vila Galé investe 5M€ em hotel no centro de Elvas

Inspirado nas fortificações portuguesas, o futuro hotel Vila Galé Elvas vai resultar da reabilitação e reconversão do antigo Convento de São Paulo, no centro da cidade alentejana. O projecto, apresentado sexta-feira, carece ainda de aprovação pelas autoridades competentes, mas Jorge Rebelo de Almeida acredita que a unidade possa estar operacional em 2018.

elvas_convento-s-paulo1elvas_-convento-s-pauloConvento S Paulo_Elvas_vista

Apresentado sexta-feira, na altura em que foi assinado, na Câmara de Elvas, o contrato de exploração do Convento de São Paulo para aí instalar um hotel da marca Vila Galé, ao abrigo do programa REVIVE, o projecto contempla 64 quartos, dois restaurantes com oferta gastronómica diferenciadora, bar e adega, biblioteca, piscina exterior e jardim de Inverno, spa da marca Satsanga com piscina interior e um grande salão de eventos. Fonte de inspiração para o novo hotel são as fortificações portuguesas espalhadas pelo mundo. Um tema que não surpreende se tivermos em conta que Elvas é uma cidade-quartel e que as suas fortificações foram classificadas como património mundial em 2012.

De acordo com o Grupo Vila Galé, o hotel de Elvas que irá resultar da total reabilitação do antigo Convento de São Paulo, localizado no centro histórico daquela cidade alentejana, um edifício de inegável valor histórico e arquitectónico mas que actualmente se encontra em ruínas, vai criar 25 a 30 postos de trabalho.

“Decidimos candidatar-nos à recuperação do Convento de São Paulo porque queremos contribuir para revitalizar esta cidade cheia de história. Faz parte da nossa ambição também puxar pelo interior do país e por regiões menos consolidadas do ponto de vista turístico, estimulando a fixação das populações, a criação de emprego e a geração de riqueza”, explicou o presidente do conselho de administração do grupo Vila Galé, Jorge Rebelo de Almeida.

Os trabalhos só irão iniciar-se depois da aprovação do projecto apresentado pela Vila Galé mas mesmo assim, Jorge Rebelo de Almeida acredita que o processo correrá a bom ritmo e que a unidade possa entrar em funcionamento em 2018.

“No espaço de 60 dias contamos ter os projectos todos prontos, depois o processo vai transitar para as entidades oficiais que acho que vão correr rápido para aprovar o projecto”, disse Jorge Rebelo de Almeida à margem da assinatura do contrato. Isto porque, sublinhou, “quando há boa vontade das entidades todas, as coisas acontecem e são fáceis”. Sobre a aprovação do projecto, o presidente do Conselho de Administração da Vila Galé não tem muitas dúvidas: “Tenho a convicção que vão achar lindo o que vamos fazer”, considerou, adiantando ainda que depois do processo de análise e aprovação pelas entidades oficiais, “temos 15 meses para executar a obra”.

Orçamentar a obra, disse, “é difícil, estas obras são sempre muito difíceis de avaliar porque podem ter muitas surpresas, seja em termos da resistência da estrutura, seja do edifício”, apesar isso avançou que “o orçamento estipulado para o hotel é da ordem dos 5 milhões de euros”.

A reabilitação do antigo Convento será um trabalho de monta, mas Jorge Rebelo de Almeida está descansado: “Na Vila Galé já temos a experiência do que é reabilitar edifícios em ruínas para fazer nascer hotéis”, afirmou, lembrando o projecto que o Grupo levou a efeito no Rio de Janeiro.

Em declarações aos jornalistas, à margem do evento, Jorge Rebelo de Almeida deixou claro que “temos desejo de fazer mais coisas no Alentejo” e avançou mesmo que “andamos de olho em Alter”. Embora afirmando não existir ainda nada em concreto, o presidente do grupo Vila Galé sempre foi dizendo que, a avançar para Alter, será com um projecto “na área do turismo equestre, uma área em que acreditamos que vale a pena nós apostarmos”.

Construído entre os séculos XVII e XVIII, o Convento de São Paulo, em Elvas, não teve apenas utilização religiosa dado que, após o fim das ordens religiosas, este imóvel serviu como Tribunal Militar até 2004, após o que seria votado ao abandono.