Abril foi mês de quebras na hotelaria de Lisboa

A hotelaria da cidade de Lisboa voltou a sofrer quebras no passado mês de Abril, com os principais indicadores a apresentarem descidas face a igual mês do ano passado, em todas as categorias de hotéis, segundo os mais recentes dados do Observatório do Turismo de Lisboa. No que diz respeito à ocupação, a hotelaria da capital registou uma taxa média global de 70,49%, descida de 3,2% face a Abril de 2012, muito por culpa das unidades de cinco estrelas, onde a ocupação teve a maior quebra, descendo 3,8%, ficando-se pelos 59,61%, o que se traduz na taxa mais baixa entre as categorias analisadas. Os quatro estrelas foram os que apresentaram a menor descida na ocupação em Abril, perdendo apenas 1,7%, para 74,28%, enquanto os três estrelas viram a sua ocupação descer 2,9%, ficando-se por uma taxa de ocupação de76,51%, a mais alta entre todas as categorias. Já o preço médio por quarto, que no geral até foi positivo, subindo 0,2% face a Abril do ano passado, para 74,06 euros, apresentou uma variação negativa em todas as categorias, com a maior descida a encontrar-se entre os três estrelas, onde o preço médio desceu 2,9%, para 51,45 euros, seguindo-se os quatro estrelas, com uma quebra de 2,5%, para 62,07 euros. Os cinco estrelas foram, neste caso, os que apresentaram melhor comportamento, ainda que tenham também registado uma descida de 1,5%, para 120,35 euros. No revPar, a situação volta a ser idêntica, com as descidas a estenderem-se a todas as categorias. Na média global, o revPar caiu 3,0%, situando-se nos 52,20 euros, o que se reflecte em quebras significativas em todas as categorias, com destaque para os três estrelas, que registaram a maior retracção, perdendo 5,8%, para um revPar de 39,36 euros. Já os quatro estrelas apresentaram uma quebra de 4,2% face a Abril de 2012, situando-se o revPar nos 46,10 euros, enquanto os cinco estrelas apresentaram uma descida de 5,2%, passando para um revPar de 71,74 euros. No acumulado do ano, a situação não é mais animadora, ainda que, no caso da ocupação, se tenha registado uma subida de 0,3% na média global, que passou para 55,24%. Positiva foi também a evolução da ocupação dos quatro estrelas, onde se registou uma subida de 3,6%, para 58,60%, enquanto os três e os quatro estrelas se pautaram por quebras de 3,4% e 1,3%, respectivamente, apresentando taxas de 58,51% e 46,90%. Já o preço médio por quarto desceu entre Janeiro e Abril 0,9%, fixando-se nos 69,36 euros, descida que foi comum a todas as categorias, com destaque para os cinco estrelas, onde o preço médio desceu 5,5%, para 112,61 euros. Nos quatro estrelas, a redução foi de 2,4%, para 58,94 euros, enquanto os três estrelas apresentaram uma descida de apenas 0,1%, para 45,63 euros. Já o revPar global da hotelaria de Lisboa foi de 38,31 euros, o que se traduz numa descida de 0,6%, com destaque para a forte quebra sentida nos cinco estrelas, que desceram 6,8%, para 52,82 euros. Nos três estrelas, a descida foi de 3,5%, para um revPar de 26,70 euros, enquanto os quatro estrelas apresentaram o melhor resultado, ganhando 1,1%, o que se traduz num revPar de 34,54 euros. I.M.