Aceder à Montanha do Pico vai ter novas regras

A partir do mês de Junho, o acesso à Reserva Natural da Montanha do Pico, terá novas regras, como por exemplo, um aumento de preços e a limitação da capacidade diária de visitantes.

“Esta portaria visa, a partir do início de Junho, estabelecer limites diários de subidas e de pernoitas na cratera, rever o valor das taxas das subidas autónomas e do acesso ao Piquinho, bem como incentivar as pernoitas na cratera acompanhados por guias da montanha através da criação de uma taxa para a pernoita aplicável ao visitante autónomo”, refere uma nota do Gabinete de Apoio à Comunicação Social do executivo açoriano, citado pela Lusa.

A portaria da Secretaria Regional da Energia, Ambiente e Turismo, publicada esta quinta-feira em Jornal Oficial, prevê que o acesso à Montanha do Pico, ponto mais alto de Portugal, pelo trilho assinalado no terreno, tenha uma capacidade máxima de carga de 320 visitantes por dia. Mantém-se a limitação já existente de 160 visitantes em simultâneo e de 30 em simultâneo no Piquinho.

O regulamento passa a prever também a capacidade de pernoita na cratera da montanha, que estará condicionada a 32 visitantes por dia e à realização de reserva prévia, devendo a escalada ser iniciada durante a tarde e terminada na manhã do dia seguinte.

Por outro lado, com vista a uma “maior moderação nos usos que podem ser mais impactantes”, segundo a tutela, até porque se trata “da necessidade de melhor promover, gerir e valorizar os recursos e valores naturais e culturais desta área protegida, ordenando e regulamentando as intervenções susceptíveis de os degradar, e de garantir o acesso em segurança dos visitantes, tendo em consideração as naturais dificuldades no acesso e os riscos indissociáveis à prática de montanhismo numa área natural com as características da Montanha do Pico, sujeita a frequentes mudanças meteorológicas e a largos períodos de visibilidade reduzida”, o valor das subidas autónomas passa de 10 para 15 euros, mantendo-se nos 5 euros nas visitas acompanhadas pelas entidades que podem operar nesta Reserva Natural, sendo que a pernoita tem um custo adicional de 10 euros.

O acesso ao Piquinho mantém-se nos 2 euros, caso a visita seja acompanhada, mas aumenta para 5 euros em visitas autónomas. Os residentes nos Açores estão isentos do pagamento de taxas.

Conforme informa o executivo regional, os horários de funcionamento da Casa Montanha serão alargados no final do mês de Outubro.