Acessibilidade aérea não é única causa dos constrangimentos do turismo açoriano, diz Vasco Cordeiro

Na intervenção proferida segunda-feira na inauguração da remodelação do Terra Nostra Garden Hotel, unidade do Grupo Bensaude nas Furnas (ilha de S. Miguel), o presidente do Governo Regional dos Açores disse esperar para breve um novo modelo de obrigações de serviço público de transporte aéreo, mas sublinhou que as acessibilidades aéreas não são as únicas responsáveis pelos constrangimentos de que padece o turismo açoriano. Discursando no Terra Nostra Garden Hotel, Vasco Cordeiro lembrou ter sido já há cerca de dois anos que o Governo Regional dos Açores apresentou ao Governo da República uma proposta de alteração das obrigações de serviço público de transporte aéreo com “o objectivo de flexibilizar o modelo existente, aumentar a concorrência e melhorar também ao nível do preço, o serviço prestado”. O processo ainda não está concluído, mas o governante assumiu esperar que o esteja em breve. Mas, apesar da importância do tema, Vasco Cordeiro acabaria por considerar “simplista e redutora” a perspectiva de que as acessibilidades são a única causa para os constrangimentos do turismo açoriano. “Alcandorarmos as acessibilidades aéreas a varinha mágica para a resolução dos desafios com que o Turismo dos Açores se vê confrontado nos dias de hoje, é um mau serviço que se presta a esse sector, porque é uma afirmação que engana quem a ouve, para além de revelar o engano em que labora quem a profere”, afirmou a propósito. O presidente do Governo açoriano assumiria mesmo que “convém não esquecer que foi o mesmo modelo de OSP’s que permitiu que os Açores tivessem o crescimento do seu sector turístico nos termos em que tal aconteceu na primeira década deste século” e que “o actual tarifário praticado, nomeadamente pela SATA, no que se refere a operadores, coloca o destino turístico Açores num patamar de competitividade efectiva e eficaz”. Vasco Cordeiro sublinhou no entanto que “há ainda trabalho a fazer, sobretudo quando não queremos descurar a importância dos chamados independent travellers”, sendo também nesse domínio que “o novo modelo de OSP’s poderá reforçar a competitividade dos Açores”. M.F. *O Turisver.com deslocou-se aos Açores a convite do Grupo Bensaude