Acesso de visitantes à Caldeira Velha pode vir a ser limitado

A Direcção do Ambiente dos Açores coloca a possibilidade de ser revisto o acesso à Caldeira Velha, sobretudo em pleno Verão, devido ao acréscimo do número de visitantes.

A Caldeira da Ribeira Grande está classificada como monumento natural e possui um campo de fumarolas, bem como uma nascente de água que é aquecida pelo calor interno do vulcão de Água de Pau, sendo procurada quer pela população, como pelos turistas.

O director regional do Ambiente, Hernâni Jorge, citado pela imprensa açoriana considerou que o aumento da procura pela Caldeira Velha é resultado da sua centralidade na ilha de São Miguel, adiantando que as regras a definir “podem passar, não por ter menos pessoas, mas definir capacidades de carga por períodos do dia”.

“Esta é uma altura para se reflectir a qualidade do serviço que é prestado e se persistirem os aumentos na dimensão que se verifica será natural que a Direcção Regional do Ambiente e a Câmara Municipal da Ribeira Grande tenham que ponderar, sobretudo nos meses de Julho e Agosto, que registam valores acima dos 25 mil visitantes por mês, e definir critérios e regras distintas de acesso”, disse Hernâni Jorge.

De acordo com dados da Ribeira Grande, que explora o espaço ao abrigo de um protocolo com o Governo dos Açores, em Julho de 2014 visitaram a Caldeira Velha 17.653 pessoas, enquanto no mês homólogo de 2015, já depois da liberalização parcial do transporte aéreo para os Açores, este número aumentou para 24.994. Em Julho deste ano atingiu-se os 27.610 visitantes no local.

No entanto, a questão parece não se colocar ainda ao nível do impacto sobre o monumento natural, área classificada e integrada no Parque Natural de São Miguel, mas com a qualidade de serviço que é prestado em alturas de maior afluência.