Açores: Desafios “não se resumem ao transporte aéreo”, diz Vasco Cordeiro

O presidente do Governo Regional dos Açores, Vasco Cordeiro, afirmou terça-feira, 25 de Fevereiro, que os desafios do turismo nos Açores “não se resumem ao transporte aéreo”, considerando mesmo que se estão a reunir as “condições para ultrapassar” esta questão. “Temos vários desafios à nossa frente, um dos quais é naturalmente a questão do transporte aéreo. Mas é importante termos presente que os desafios do turismo não se resumem ao transporte aéreo”, declarou Vasco Cordeiro, na sequência de uma audiência com o secretário de Estado do Turismio, Adolfo Mesquita Nunes, em Ponta Delgada. O Governo Regional dos Açores e o Governo da República estão há vários meses a negociar o novo caderno de encargos do transporte aéreo entre o continente e a região, que pode passar pela abertura do mercado às ‘low cost’, com Vasco Cordeiro a considerar que “há condições para ultrapassar a questão do transporte aéreo, resolvendo-o no bom sentido”. Ainda assim, o governante regional deixa o alerta de que a resolução do problema do transporte aéreo entre o arquipélago e o continente “não resolverá todas as questões do turismo dos Açores”. Além do transporte aéreo, Vasco Cordeiro enumerou desafios como a qualidade e a diversificação de fontes de rendimento do sector como alguns dos mais urgentes que actualmente se colocam ao turismo açoriano, considerando que “a rentabilidade não deve estar dependente apenas do alojamento e da restauração”. A melhor articulação entre entidades públicas e privadas, bem como a melhor correspondência entre a oferta e a promoção são também desafios lembrados pelo presidente do executivo açoriano, que considera também que o arquipélago “pode dar um contributo muito positivo não apenas na questão dos números, mas sobretudo numa componente emergente: tudo o que tem a ver com o mar”, no âmbito da articulação de políticas turísticas entre os governos da República e regional. “Nessa perspectiva, o desafio que os Açores têm de se tornarem como uma das regiões do país de referência em tudo o que são actividades relacionadas com o mar, é algo que interessa não apenas aos Açores mas ao próprio país”, afirmou. Já o secretário de Estado do Turismo pretende que os governos da República e dos Açores “possam chegar a uma solução, como parece estar a acontecer, que permita o desenvolvimento do turismo e mais ligações aéreas para os Açores”, defendendo uma “articulação profunda” entre o arquipélago e o país no âmbito do plano nacional estratégico para o turismo. I.M.