Aeroportos europeus movimentaram 2 mil milhões de passageiros em 2016

De acordo com o relatório do capítulo europeu do Conselho Internacional de Aeroportos (ACI-Europe), os aeroportos europeus movimentaram, no ano de 2016, um total de 2 mil milhões de passageiros, um número recorde. Entre os aeroportos que mais cresceram face a 2015 estão alguns portugueses, como Porto e Faro, no Top 5 do grupo a que pertencem, e Lisboa, onde as low cost impulsionaram o tráfego.

O relatório destaca alterações no Top 5 dos hubs europeus, o impacto positivo que os fluxos turísticos tiveram em alguns aeroportos, o impulso dado pelas companhias low cost no aumento do tráfego de passageiros e ainda o facto de em Dezembro os aeroportos europeus terem sido os que mais cresceram em termos mundiais.

Segundo os dados agora divulgados, o tráfego de passageiros na rede de aeroportos europeus registou um crescimento médio de +5,1% face a 2015, atingindo o ano passado o número recorde de 2 mil milhões de passageiro. O aumento de tráfego foi integralmente gerado pelo mercado da União Europeia, espaço em que os aeroportos registaram uma variação homóloga positiva de 6,7% em número de passageiros.

O relatório avança que “a importante descida da procura registada no segmento de lazer em aeroportos extra-União Europeia, caso da Turquia, contribuiu para uma deslocalização de fluxos que tornou mais notório o aumento de passageiros que passaram por infra-estruturas aeroportuárias de países como Portugal, Espanha, Croácia, Chipre, Bulgária, Grécia e Roménia. Esta deslocalização contribuiu para que grande parte dos aeroportos destes países registassem crescimentos a dois dígitos.

Entre os aeroportos que mais cresceram no grupo 3 (aeroportos que recebem entre 5 e 10 milhões de passageiros por ano) estão os de Faro (em 3º lugar, com uma subida de 18,6%) e do Porto (5º lugar, +16%), mas o relatório faz também referência ao aumento de passageiros verificado em Lisboa (+11,6%) embora não figure no Top 5 dos crescimentos do Grupo 2 (entre 10 e 25 milhões de passageiros por ano), destacando o aumento de tráfego originado no aeroporto da capital portuguesa pelas companhias low cost.