Agentes de viagens britânicos estabelecem prioridades para as negociações do Brexit

A capacidade de viajar livremente dentro e fora da Europa; Manter a isenção de visto entre o Reino Unido e a União Europeia; Proteger os direitos dos consumidores; Dar estabilidade às empresas britânicas; Aproveitar as oportunidades de crescimento. São estas as cinco prioridades estabelecidas pela ABTA para as negociações do Brexit, às quais o governo se deve concentrar.

Além disso, dado que alguns tipos de pacotes de férias se vendem com 18 meses de antecedência, a ABTA pede ao seu governo que assegure a efectividade dos acordos de transacção com a União Europeia para que tudo esteja previsto.

A associação britânica das agências de viagens (ABTA) comunicou os aspectos que consideram prioritários para que as negociações do Brexit não criem problemas ao sector do turismo, assinalando “prioridades e oportunidades”. O documento, com o título “Making a Success of Brexit for Travel and Tourism” assinala a grande importância do sector que envia anualmente 37 milhões de turistas a destinos da União Europeia, enquanto 16 milhões de residentes no velho continente viajam em férias e negócios ao Reino Unido.

A ABTA considera essencial que a indústria das viagens continue a prosperar no pós Brexit, e que os turistas e viajantes de negócios possam continuar a viajar livremente, desfrutando dos importantes benefícios que estão disponíveis actualmente.

A associação destaca que o Reino Unido, enquanto membro da União Europeia tem dado aos viajantes importantes benefícios ao nível de direitos e protecção, incluindo a isenção de visto de viagem, bem como o seguro de saúde gratuito ou reduzido através da European Health Insurance Card (EHIC), que foi usado mais de 215 mil vezes por cidadãos britânicos.

As compensações por atrasos e cancelamentos de voos e a Directiva Europeia de Viagens Organizadas, que protege as pessoas com pacotes de férias, também é são valiosos direitos que a ABTA pede que sejam protegidos.

Salvaguardar as ligações de transportes incluindo rotas, é vital, já que na União Europeia o britânico é o maior mercado emissor, e um mercado crucial para os negócios.

A ABTA considera ainda que manter essas ligações beneficia tanto o Reino Unidos como a União Europeia porque, para os estados membros da UE os turistas e viajantes de negócios britânicos representam um importante mercado com um gasto turístico de 17.800 milhões de euros por ano, para realçar que Portugal, Espanha, França, Itália e Grécia são os destinos turísticos que mais recebem visitantes britânicos tanto em férias como em viagens de negócios.