Agrupamento de empresas MRG ganha concessão do Hotel Turismo da Guarda

O consórcio de empresas MRG (MRG Property e MRG Construction) ganhou a concessão do Hotel Turismo da Guarda, cujo contrato foi assinado esta sexta-feira entre os seus representantes e o presidente do Turismo de Portugal, Luís Araújo. A concessão é feita por 50 anos e o investimento total para a recuperação do edificado está estimado em 7 milhões de euros.

Este agrupamento de empresas compromete-se a construir uma unidade hoteleira neste imóvel que ocupe no mínimo 55% da área bruta de construção. Está prevista uma unidade boutique hotel, de 4 estrelas, ligada ao tema da neve, com 50 quartos e com outras valências como Spa (que estará acessível igualmente aos residentes no município) e restaurante. A nova unidade, que terá ainda uma vertente de formação, vai apostar na sustentabilidade ambiental, como aquecimento de águas através de energia solar ou iluminação LED.

Para a secretária de Estado do Turismo, Ana Mendes Godinho, “este é mais um marco importante no desenvolvimento do programa Revive, e que vem resolver uma situação que se arrastava desde 2012”, para realçar que desta forma, o Revive “permite voltar a dar vida a um imóvel tão importante e emblemático para a Guarda”.

O hotel, devoluto desde 2012, foi projectado em 1936 por Vasco Regaleira e é um dos edifícios mais emblemáticos da cidade da Guarda, estando situado no centro do município. Em 2015 foram lançados dois procedimentos destinados à venda do hotel, em condições que não atraíram interessados, pelo que o Governo decidiu dar um novo uso a este imóvel integrando-o no Programa Revive, um programa conjunto dos Ministérios da Economia, Cultura e Finanças, tornando-o num activo económico, capaz de gerar riqueza e emprego e que, ao mesmo tempo, valorize a atractividade turística da região.

Refira-se que recentemente foram lançados os concursos públicos para o Paço de Valverde, em Évora, o Colégio de São Fiel, em Castelo Branco, e a Coudelaria de Alter, em Alter do Chão.

O primeiro imóvel a ser lançado em concurso público no âmbito do Programa Revive foi o Convento de São Paulo, em Elvas, ganho pelo Grupo Vila Galé, que já iniciou as obras para a instalação de uma unidade hoteleira, seguindo-se-lhe os Pavilhões do Parque D. Carlos I, nas Caldas da Rainha, cuja concessão ficou nas mãos do Grupo pela Visabeira.

Prevê-se que sejam lançados em breve os concursos do Forte de Santa Catarina, em Portimão, do Convento de Santa Clara, em Vila do Conde, e da Casa de Marrocos, em Idanha-a-Nova.