AHETA: Ano turístico no Algarve foi positivo, mas ficou aquém dos recordes

A AHETA confirma que o ano turístico de 2015 no Algarve foi positivo, mas está aquém dos recordes veiculados por algumas entidades. As perspectivas para 2016 apontam para a subida dos preços em 2,6%, as taxas de ocupação em 3,8% e o volume de vendas em 5,9%, permitindo que as empresas melhorem os seus resultados líquidos e financeiros em 2,2%. 

Em 2015, de acordo com dados de balanço da AHETA, os hotéis e empreendimentos turísticos do Algarve geraram uma facturação bruta directa na ordem dos 750 milhões de euros, mais 8,6% face ao ano anterior, tendo os preços a subido 3,1% comparativamente ao ano de 2014.

A taxa de ocupação média quarto atingiu os 60%, mais 5,5% do que em 2014, tendo as dormidas totais ascendido a cerca de 17,5 milhões. O número de hóspedes atingiu os 3,5 milhões, dos quais mais de 1,06 milhões foram nacionais.

Os proveitos dos aposentos atingiram os 550 milhões de euros durante o ano e a alimentação e bebidas cerca de 200 milhões de euros no mesmo período. O rendimento médio por quarto disponível (RevPar) cifrou-se nos 38,9 euros/dia a preços correntes. Os resultados líquidos subiram 3,3%o, enquanto mais de 85% das empresas viram a sua situação financeira melhorar relativamente ao ano anterior.

Ainda de acordo com a AHETA, os hotéis de 3 estrelas registaram a taxa de ocupação média mais alta (66,2%), seguidos dos aldeamentos e apartamentos turísticos de 5 e 4 estrelas (63,9%). A zona de Monte Gordo / Vila Real de Santo António liderou as taxas de ocupação no Algarve com 71,1%, seguida de Faro / Olhão com 64,7%, Portimão/Praia da Rocha Alvor com 61,9%, Vilamoura /Quarteira/Quinta do Lago com 61,6% e Albufeira com 61,2%.

Os turistas britânicos geraram 5 748 milhões de dormidas (32,7%), secundados pelos nacionais com 4 125 milhões (22,9%), alemães 1 917 milhões (11,2%), holandeses 1 554 milhões (9,6%) e irlandeses 927 mil (5,1%).

Em 2015, o golfe turístico gerou 1,166 milhões de voltas, ou seja, uma média de 30.807 voltas por campo (+7,4%). Os turistas estrangeiros são responsáveis por 95 por cento das voltas comercializadas (250 mil turistas/ano), tendo as receitas directas atingido cerca de 75 milhões de euros e as indirectas (alojamento, restauração, comércio, rent-a-car, etc.) à volta dos 350 milhões de euros em bens transaccionáveis.

As marinas e portos de recreio do Algarve viram aumentar, em média, o número de visitas de embarcações nacionais e estrangeiras e o Turismo Residencial deu sinais de recuperação, consubstanciado em um crescimento das transacções de imóveis efectuadas durante o ano.