AHETA: Compromisso com sustentabilidade

Para a AHETA, as políticas de turismo devem facilitar a actividade da iniciativa privada para, deste modo, maximizar a contribuição do turismo para as economias nacionais e regionais.

Assim “os empresários hoteleiros e turísticos reafirmam a sua disponibilidade para colaborar, activamente, em iniciativas de progresso do desenvolvimento turístico e económico, visando aumentar a eficácia coerente das diferentes políticas para o desenvolvimento sustentável”.

Neste sentido, a AHETA reitera, mais uma vez, o seu apelo para que “os organismos responsáveis, nomeadamente o governo, assumam uma nova geração de políticas públicas potenciadoras do desenvolvimento social e do crescimento económico e turístico, enquanto estímulos de qualificação competitiva da nossa oferta turística”.

A associação algarvia, que subscreve a declaração das Nações Unidas adoptando 2017 como o Ano Internacional do Turismo Sustentável para o Desenvolvimento, considera que “a importância económica, social e ambiental do sector do turismo, apesar de reconhecida em palavras ao mais alto nível continua a ser, convenientemente, ignorada e menorizada em todo o mundo, incluindo o nosso país”.

A AHETA lembra que “o turismo é um processo económico e social variado e complexo”, e que “o fomento dessa variedade implica integrar outras actividades económicas sustentáveis, atendendo ao cariz multidisciplinar do sector, traduzido no facto deste se relacionar e interligar com praticamente todos os aspectos da vida e da sociedade”.

Neste contexto, indica que “para garantir o desenvolvimento de um turismo sustentável é prioritário conciliar a economia do turismo com as exigências da sociedade, cultura e ambiente, respeitando integralmente o equilíbrio entre as três dimensões do desenvolvimento sustentável: a económica, a social e a ambiental, tal como é defendido pelas Nações Unidas”.

Por outro lado, defende que “a protecção, recuperação e promoção do uso sustentável dos valores ecológicos, ambientais e patrimoniais, quer de ordem civilizacional, quer arquitectónica ou outra, são determinantes para assegurar o sucesso económico da actividade turística e, por essa via, o bem-estar e a vida saudável das populações residentes”.