AHP: “Estamos a conseguir subir o preço médio”

Os indicadores hoteleiros de 2015 foram positivos na generalidade, tanto em ocupação como em preço médio e RevPar, mas são muitas as discrepâncias regionais. Mesmo assim, em comparação com 2007, considerado o melhor ano turístico de sempre, há já indicadores que suplantam os resultados de então.

Na apresentação dos dados de balanço e perspectivas, a presidente executiva da AHP começou por afirmar que a performance da hotelaria “muito mais interessante quando se analisam apenas os hotéis” sem incluir outros tipos de alojamento hoteleiro. Relativamente a 2015 destacou a subida do mercado interno em 0,2p.p., a alteração a nivel da sazonalidade, com o mês de Setembro a oucupar o segundo lugar, substituindo Julho que para para terceiro melhor mês, a baixa do peso de lazer de 88 para 77% e a subida dos negócios de 12 para 14%.

Apresentando os dados do Tourism Monitor fica claro que o bom ano da hotelaria não o é assim tanto para todas as regiões, embora em todas elas os indicadores registassem subidas. Na ocupação por quarto, a média nacional foi de 65,23%, Lisboa, Madeira e grande Porto superaram essa média mas, por exemplo, Viseu ficou em 35%. O preço médio ficou em 74,70€, Lisboa, Estoril e Algarve, suplantaram esse valor mas em Viseu a média do preço ficou pelos 47,84€. No Revar, que atingiu a media de 48,73€, Lisboa, Estoril e Algarve ficaram acima desse valor, mas Viseu, por exemplo, ficou nos 16,71€.

Mas Viseu não está sozinha: entre as regiões analisadas, há sempre apenas três a ficarem acima da média nacional, nas restantes 11 os valores ficam sempre abaixo.

Em comparação com 2007, a ocupação ficou, em 2015, 2% abaixo do então verificado, já oRevPar e o ARR apresentaram-se mais elevados. O que também está abaixo dos resultados de 2007 e 2008 é a receita média por turista , com a estada média a manter-se em torno dos dois dias.