AHRESP apela ao PSD que não inviabilize acordo de concertação

Em carta enviada ao presidente do PSD, a Associação pede que este partido não inviabilize a descida da TSU que visa compensar as empresas pelo aumento do salário mínimo.

A AHRESP – Associação de Hotelaria, Restauração e Similares de Portugal enviou uma carta ao Presidente do PSD, apelando a este partido para não inviabilizar a medida compensatória ao recente aumento do valor do salário mínimo, através da redução da Taxa Social Única.  Para a AHRESP esta medida compensatória representa um “compromisso da maior relevância para a sobrevivência e competitividade das micro e pequenas empresas portuguesas, nomeadamente, as que desenvolvem a actividade no Turismo, actividade que lidera a recuperação económica e a criação de emprego em Portugal”.

Na carta enviada a Pedro Passos Coelho e divulgada à imprensa, a AHRESP pede que este partido “não coloque em causa o “Compromisso Tripartido para um Acordo de Concertação de Médio Prazo” que considera ser da “maior relevância, na medida em que salvaguarda a competitividade das nossas empresas, estabelecendo as contra partidas imediatas e necessárias para que possa absorver o impacto do salário mínimo superior à evolução da inflação, da produtividade e da competitividade”.

Acrescenta ainda a AHRESP que “o Turismo, que lidera a expectativa de recuperação económica para o nosso país, promovendo o equilíbrio da balança de transacções e a criação de emprego, é uma actividade com extrema sensibilidade a todas as perturbações que podem pôr em causa a sustentabilidade da esmagadora maioria das nossas empresas, que estão a tentar recapitalizar-se, para enfrentar a competitividade e a concorrência internacional.