AHRESP não desiste da baixa do IVA

Reunido ontem em Lisboa, o Conselho Nacional da Associação da Hotelaria, Restauração e Similares de Portugal recusa-se a baixar os braços e afirma que não desiste da baixa do IVA porque ?o sector não aguenta taxa de 23%?. Por isso a Associação vai continuar a sensibilizar a opinião pública e os governantes e retomar as audiências com decisores políticos. “Esta reunião comprovou que a realidade do sector é dramática de Norte a Sul de Portugal e que a AHRESP não pode baixar os braços, não pode resignar-se, porque o sector não aguenta mesmo até 2014 o actual quadro fiscal”, garante Mário Pereira Gonçalves, presidente da AHRESP, que sublinha a urgência da descida da taxa do IVA: “Há sinais evidentes de que cada vez mais vozes da maioria política que sustenta o Governo já perceberam o crime de lesa economia que representa o IVA a 23% no sector. Mas temo que a correcção da situação chegue já demasiado tarde para muitos milhares de restaurantes e muitas dezenas de milhares de postos de trabalho”, explica. Os responsáveis da AHRESP decidiram ainda, durante o Conselho Nacional, que a breve prazo serão implementadas medidas de sensibilização da opinião pública. “Este não é um problema só da Restauração, pois diz respeito a todos os portugueses e pode afectar o futuro de toda a economia do País. Para além de que nos arriscamos a perder, definitivamente, um património gastronómico único que nos diferencia do resto da Europa e faz parte da nossa cultura. Por isso, consideramos que devemos mobilizar todos os portugueses para esta causa”, sustenta o presidente da AHRESP. A Direcção da AHRESP tem também já agendadas audiências com delegações do PSD e do FMI, nos próximos dias 3 e 4 de Julho, estando em marcação encontros com os dirigentes da HOTREC ? Confederação de Hotéis, Restaurantes e Cafés na Europa -, e das restantes forças políticas portuguesas com assento parlamentar. M.F.