AIHSA mantém apoio à presidência da ATA e acusa AHETA de ?narrativa dramática?

A Associação dos Industriais Hoteleiros e Similares do Algarve (AHISA) reagiu ontem à posição da Associação dos Hotéis e Empreendimentos Turísticos do Algarve (AHETA), que quer que a presidência da Associação Turismo do Algarve (ATA) seja atribuída a um privado, mantendo o apoio à presidência da ATA e acusando a AHETA de ter enviado ?uma fantasiosa circular aos seus associados?, na qual recorre a uma ?narrativa dramática?. A AIHSA começa por esclarecer que ?as recentes alterações estatutárias da ATA visaram introduzir uma maior operacionalidade e equilíbrio?, desmentindo que tais alterações tenham resultado de ?qualquer “pressão” feita em “exclusivo” pela AHETA, tal como se insinua na circular?, tendo antes existido um ?entendimento unânime das associações?, lê-se em comunicado. A AIHSA diz que a AHETA sempre integrou a direcção da ATA com um terço dos seus membros, considerando por isso ?anacrónico? que a AHETA nunca tenha ?esboçado o mínimo alerta ou protesto contra o que vem afirmar no seu comunicado?, onde se diz que o facto de presidência recair na mesma pessoa causou ?prejuízos graves à imagem e economia do turismo da região, para além de ter dificultado o relacionamento com outras organizações?. Em relação ao processo negocial entre as duas associações, a AIHSA esclarece também que sempre rejeitou, ?contrariamente ao proposto pela AHETA?, que as duas associações ?partilhassem entre si o “monopólio” da indigitação dos membros que deveriam integrar a Direcção da ATA?, antes defendendo que as vice-presidências reflectissem ?a representação de outros sectores de actividade na área do turismo?. Já quanto ao apoio que a AHETA terá dado à indigitação de um membro da AIHSA para ser cooptado para a comissão executiva da RTA, a AIHSA diz que esta decisão ?não resultou de uma partilha de poder entre as duas associações, mas sim de uma decisão partilhada pelas associações que integram a assembleia-geral da RTA, na qual a AHETA participo e votou favoravelmente?. ?Tal decisão não pressupôs expressa ou implicitamente que a presidência e a maioria da Direcção da ATA fosse o quinhão da AHETA numa partilha que só existiu no pensamento do Presidente da AHETA?, acusa a AIHSA. Para a AIHSA, a promoção turística ?não é nem nunca foi o calcanhar de Aquiles do turismo regional?, como defende a AHETA, considerando que a contratualização entre o ?Turismo de Portugal e a ATA atribuiu à região a possibilidade de gerir a partir do Algarve e com decisores nele sedeados a promoção da região?, o que resultou em ?ganhos consideráveis?. A terminar, a AIHSA diz ainda que a posição da AHETA face à promoção turística é uma ?hipocrisia? ao considerar que ?a promoção turística do Algarve não pode continuar a resumir-se à participação em feiras e comunicados sobre o sucesso das viagens e das entrevistas dos dirigentes da ATA?, uma vez que, diz a AIHSA, ?a direcção da ATA integra desde a sua fundação, pelo menos, três dirigentes da AHETA?. ?Quem avalia o trabalho desenvolvido ao longo de todos estes anos pelos seus dirigentes da forma como o fez, pouco ou nada terá a fazer na direcção daquela instituição?, afirma a AIHSA, que se congratula ?com a eleição dos novos órgão sociais da ATA, em quem deposita toda a confiança para desenvolver um trabalho que corresponda às expectativas do sector?. I.M.