Air Malta voltou a voar para Portugal

Após uma década de ausência, a Air Malta, representada em Portugal pela ATR, voltou a ter voos regulares para Lisboa desde 25 de Março. Com duas frequências semanais, às quintas e domingos, a nova rota da companhia maltesa deverá ser operada também durante o Inverno.

Às quintas-feiras, os voos partem de Malta às 18h40 para chegarem a Lisboa pelas 20h55. Daqui partem às 21h45, aterrando em Malta à 01h45 de segunda-feira (hora local). Já aos domingos os voos saem de Malta às 12h15 chegando à capital portuguesa pelas 14h20 para iniciarem o regresso às 15h10, chegando a Malta às 19h10, hora local.

Para o primeiro ano de operação, a Air Malta tem objectivos definidos, pretendendo “transportar cerca de 10.000 passageiros” e, desta forma “gerar mais turismo entre os dois países”, afirmou em Lisboa Joseph Galea, director executivo da Air Malta. O responsável acrescentou ainda que o regresso da companhia a Lisboa “após uma ausência bastante longa, não é apenas mais um marco para a companhia mas representa um forte compromisso da companhia aérea em conectar melhor a região do Mediterrâneo a toda a Europa e além-fronteiras”.

Já para o chairman da Air Malta, Charles Mangion, a nova rota é “mais um passo em frente na nossa estratégia de ligar as regiões Mediterrânicas com o resto da Europa. A nossa posição geográfica, em paralelo com o aumento de rotas e frequências para os aeroportos mais importantes, irá sem dúvida contribuir para que a Air Malta seja a escolha natural para fazer as ligações por toda a região”.

Citado em comunicado da Air Malta, para o ministro do Turismo de Malta, Hon Konrad Mizz, a nova rota irá permitir à Air Malta ficar ligada à América do Sul dada a importância de Lisboa como hub para os passageiros sul-americanos que viajam para os países europeus. O governante maltês salientou igualmente que a nova rota para Lisboa está integrada na “estratégia de crescimento e revitalização da Air Malta, que inclui o acréscimo de rotas e frequências bem como ligações a novos mercados por todo o mundo”.