Algarve quer ter Geoparque Mundial da UNESCO

Os municípios de Loulé, Silves e Albufeira e a Universidade do Algarve/Centro de Investigação Marinha e Ambiental vão celebrar um protocolo de colaboração com o intuito de candidatar o Geoparque Algarvensis Loulé-Silves-Albufeira a Geoparque Mundial da UNESCO.

O protocolo de colaboração, cuja assinatura decorrerá a 2 de Dezembro, surge no âmbito da elaboração e realização do processo de candidatura a Geoparque Mundial da UNESCO. O objectivo é promover o desenvolvimento sustentável do território a partir das comunidades e da sua qualidade e modo de vida, assim como da riqueza geológica, tornando a área dos três concelhos num destino sustentável e potencialmente turístico de interesse mundial, por via do seu património geológico.

Os Geoparque Mundiais da UNESCO combinam a protecção e promoção do património geológico com o desenvolvimento local sustentável, possuindo um conjunto de geossítios ou geomonumentos que testemunham a evolução do planeta. O aspirante Geoparque Algarvensis Loulé-Silves-Albufeira conta uma história de 360 milhões de anos. Nele destacam-se locais de interesse geológico como a Rocha da Pena, a grés de Silves ou o vale à volta do Castelo de Paderne.

A 7 de Dezembro, a Escola Secundária de Loulé vai receber uma conferência com os intervenientes neste projectO, bem como especialistas na matéria, como Octávio Mateus, da Universidade Nova de Lisboa e investigador que liderou a equipa nacional que escavou a jazida da Penina, onde foi descoberto o Metoposaurus Algarvensis, e Artur Sá, da Universidade do Minho. Será, também, inaugurada a exposição itinerante “Vamos ser Geoparque Algarvensis: O que é isso? – Um território aspirante a Geoparque Mundial da UNESCO”.