AMAL diz que taxa sobre rent-a-car põe em causa sobrevivência de 40 empresas

A Comunidade Intermunicipal do Algarve (AMAL) está contra a intenção da ANA – Aeroportos de Portugal de taxar os alugueres de automóveis às empresas de rent-a-car que operam no aeroporto de Faro, considerando que a medida vai pôr em causa a sobrevivência de cerca de 40 empresas. De acordo com Jorge Botelho, presidente da AMAL, a medida “põe em causa a sobrevivência de cerca de 40 empresas e mais de 600 postos de trabalho, numa altura em que o Algarve é a região que apresenta a taxa de desemprego mais elevada do país”, referiu o responsável à Lusa. O responsável, que falou à Lusa após uma reunião com a Associação de Empresas de Rent-a-car do Algarve, considera que as taxas vão “reflectir-se inevitavelmente” nos clientes, o que “não dignifica quem visita” a região e vai “irá penalizar o sector” do turismo. “Atendendo à urgência da resolução do assunto em apreço, a AMAL vai solicitar uma reunião ao senhor secretário de Estado das Infra-Estruturas, Transportes e Comunicações [fusion_builder_container hundred_percent=”yes” overflow=”visible”][fusion_builder_row][fusion_builder_column type=”1_1″ background_position=”left top” background_color=”” border_size=”” border_color=”” border_style=”solid” spacing=”yes” background_image=”” background_repeat=”no-repeat” padding=”” margin_top=”0px” margin_bottom=”0px” class=”” id=”” animation_type=”” animation_speed=”0.3″ animation_direction=”left” hide_on_mobile=”no” center_content=”no” min_height=”none”][Sérgio Silva Monteiro] com vista a expor o atentado de que algumas empresas de rent-a-car do aeroporto de Faro estão a ser alvo e cujo único desfecho possível será o encerramento das próprias empresas”, anunciou ainda a AMAL, em comunicado. Contra a medida está também o presidente do Turismo do Algarve, Desidério Silva, que já procurou encontrar uma “plataforma conjunta de entendimento” com deputados sociais-democratas e socialistas eleitos pelo círculo de Faro, com a Comunidade Intermunicipal do Algarve (AMAL) e com a Associação de Empresas de Rent-a-Car do Algarve para que fossem tomadas posições junto do Governo e das entidades responsáveis para “contrariar” a intenção da ANA. “Manifestei ainda a minha disponibilidade para assinar um documento conjunto da Região de Turismo e da AMAL”, acrescentou Desidério Silva, frisando que a sua intenção é, “mais do que tomar posição pública, tentar mover vontades para encontrar soluções que contrariem esta medida”. I.M.[/fusion_builder_column][/fusion_builder_row][/fusion_builder_container]