António Costa quer consenso em torno do novo aeroporto

Na tomada de posse da CTP, o Primeiro-ministro aceitou o repto lançado por Francisco Calheiros que uma vez mais apontou o novo aeroporto de Lisboa como essencial à continuidade de crescimento do turismo, para sublinhar a “urgência” desta infra-estrutura e pedir um “amplo consenso político”em torno desta questão.

No discurso de encerramento da cerimónia de tomada de posse dos novos órgãos sociais da Confederação do Turismo Português, o Primeiro-ministro sublinhou que não importa, neste momento, falar do passado e de todo o processo do aeroporto, importa sim, afirmou, “concentrarmo-nos no futuro e recuperar o tempo perdido, assegurando rapidamente a solução duradoura, politicamente consensual, para dotarmos o país de um aeroporto internacional com a capacidade que o crescimento do tráfego aéreo necessariamente impõe”.

Tal como havia já dito aquando da sua visita de inauguração à Bolsa de Turismo de Lisboa, no final de Fevereiro, António Costa voltou a sublinhar a importância de “construir consensos políticos alargados” que permitam levar para a frente, atempadamente, os “grandes investimentos públicos” como é o caso do novo aeroporto de Lisboa.

“Temos de recuperar tão rapidamente possível o tempo que estamos atrasados para dotar o país com um novo aeroporto internacional com a capacidade que Portugal carece”, frisou, sem no entanto, se comprometer com prazos para a conclusão dos estudos e a conclusão em marcha da solução Montijo.

Na sua intervenção, referiu-se aos números de turismo e deixou clara a sua convicção de que em Portugal “o turismo tem ainda margem para crescer, desde logo se continuarmos a diversificar a oferta”, nomeadamente no que toca ao “turismo urbano, ao turismo de natureza e ao turismo de congressos” que, afirmou, têm tido “um crescimento muito significativo”.