APHORT contra instalação de botões de pânico

A Associação Portuguesa de Hotelaria, Restauração e Turismo (APHORT) está ?completamente contra? a instalação de botões de pânico, uma medida do Turismo do Porto e Norte de Portugal (TPNP), que pretende instalar, no exterior das 53 suas lojas e postos de turismo, um ?botão de pânico? com o objectivo de reforçar a segurança para turistas nacionais e estrangeiros. Para a APHORT, esta é ?uma iniciativa completamente descabida para o sector e para o próprio país?, uma vez que representa uma ?péssima promoção no estrangeiro?, podendo ?levar as pessoas a não virem para Portugal?, segundo declarações à Lusa de Rodrigo Pinto Barros, presidente da associação. ?Lamentando a falta de sensibilidade e de sensatez dos responsáveis pelo turismo da região, a APHORT já solicitou ao Ministro da Administração Interna que se demarque desta acção nociva para a imagem externa da região?, refere um comunicado enviado segunda-feira à comunicação social pela associação. A APHORT diz que os empresários turísticos da região Norte ficaram ?surpreendidos? com a campanha lançada pelo TPNP, que consideram ?nociva? para a imagem do país, uma vez que passa a ideia de que o ?Governo já não é capaz de garantir a segurança de pessoas e bens?, ao mesmo tempo que representa ?um atestado de incompetência às várias forças policiais existentes?. ?É com incredulidade e total repúdio que a APHORT vê a mais recente iniciativa apresentada pelo Turismo do Porto e Norte de Portugal: a implementação de ?botões de pânico? por toda a região, no exterior das suas lojas e postos de turismo?, lê-se no mesmo comunicado. Recorde-se que o TPNP anunciou, em Junho, que ia implementar no exterior das 53 suas lojas e postos de turismo um ?botão de pânico? com o objectivo de reforçar a segurança para turistas nacionais e estrangeiros, tendo o sistema sido apresentado pouco tempo depois, na loja do Aeroporto Francisco Sá Carneiro, no Porto, com a presença do secretário de Estado da Administração Interna. I.M.