Até 2020: Grupo Pestana vai abrir 20 novos hotéis e investir 200M€

Entre 2018 e 2020 o Pestana Hotel Group vai abrir 20 novas unidades hoteleiras, que totalizarão três mil quartos, num investimento de 200 milhões de euros, anunciou esta quarta-feira, José Roquette, Chief Development Officer da cadeia hoteleira de origem portuguesa, que actualmente possui 100 hotéis em 20 países.

Num encontro com a imprensa, que teve como objectivo divulgar a importância da Estratégia de Desenvolvimento no Grupo, nomeadamente as perspectivas e novidades em carteira para os próximos anos, o responsável referiu que o Pestana Hotel Group “vai implementar o plano mais ambicioso de sempre” e que “estamos perante um dos momentos mais fortes de crescimento, sem pôr em risco o que o accionista tem construído, ou seja, o nosso desafio passa pela solidez e pela rentabilidade”. Esta estratégia é tão ambiciosa quanto José Roquette fez lembrar que se nos últimos seis anos a cadeia abriu 20 novos hotéis, nos próximos três vai acrescentar mais 20 ao seu portefólio, e “estamos atentos a novas oportunidades de negócio”, sem especificar.

Das 20 novas unidades hoteleiras em projecto, deverão acontecer seis aberturas durante este ano, segundo adiantou José Roquette, sendo que 60% dos novos quartos (1.700) e 50% do investimento serão em hotéis em Portugal, país onde o grupo pretende consolidar a sua posição de líder, com 64% de peso. Nestas contas não consta nenhum projecto em Lisboa, mas o executivo disse que o Grupo “está a trabalhar no sentido de investir num hotel de quatro estrelas mais comercial”, na capital portuguesa, com vista a complementar os dois produtos que já dispõe, designadamente, o Pestana CR7 Lisboa e a Pousada de Lisboa.

No entanto, de acordo com a estratégia do Grupo “o nosso desígnio mais forte é a afirmação europeia, onde vamos gastar mais tempo e mais dinheiro, e manter o nosso sonho americano”, referiu o executivo, para realçar o Pestana Hotel Group pretende continuar a investir na diversificação, não apenas territorial, mas em novos modelos de negócio e novos conceitos. Neste momento, a América Latina tem um peso de 23%, a África 8%, a América do Norte 1% e a Europa 4%, sendo que 66% dos quartos estão em unidades de resort e 33% em hotéis urbanos, ou seja há uma predominância da hotelaria de lazer, embora o objectivo a médio prazo seja de maior equilíbrio. Quanto ao modelo de negócio, refira-se que 70% das unidades existentes são propriedade da cadeia, 10% são explorados na modalidade de management e franchising e 20% em leasing.