Até Maio: Mais de 3 milhões de dormidas de britânicos em Portugal

Poucos dias após a visita a Londres da secretária de Estado do Turismo, Ana Mendes Godinho, para contactos com o trade britânico, o INE, para além da informação habitual sobre o balanço mensal da actividade turística, inclui uma secção específica sobre as dormidas de hóspedes do Reino Unido, em 2016 e também nos primeiros cinco meses de 2017.

Assim, no acumulado até Maio, as dormidas do mercado britânico ascenderam a 3,1 milhões (+5,7%) e representaram 21,9% das dormidas de não residentes.

Este que é o principal mercado emissor para Portugal, representou 23,9% das dormidas de não residentes o ano passado, contra 24,3% em 2015, sendo que os hóspedes provenientes deste país totalizaram 1,9 milhões (+11,8%) no ano em análise. As dormidas ascenderam a 9,15 milhões (+9,8%), com evoluções ligeiramente superiores às de 2015 (+10,5% e +9,5%, respectivamente).

O Algarve foi o destino principal do mercado britânico em 2016, totalizando 66,3% do total de dormidas de residentes daquele país, seguido pela Madeira (20,7%) e pela região de Lisboa (8,3%). Ao nível de quota de dormidas em 2016, foi também o Algarve e a Madeira as regiões beneficiadas quando se fala em não residentes, com 42,6% e 29,1%, respectivamente.

O destaque do INE dá conta que o ano passado os hotéis concentraram 48,9% das dormidas de britânicos, seguidos pelos hotéis-apartamentos (24,3%) e pelos apartamentos turísticos (14,5%). Nos hotéis, a procura centrou-se nas unidades de cinco e quatro estrelas (40,4% e 48,1% do total da tipologia), enquanto nos hotéis-apartamentos sobressaíram particularmente as unidades de quatro estrelas (72,4% das dormidas em hotéis-apartamentos).

No entanto, a estada média baixou 1,8%, situando-se em 4,75 noites, com o Algarve (6,37% noites) e a Madeira (5,22 noites) a conheceram as estadas mais elevadas.