Autarca de Ourém ?muito feliz? com turismo religioso no PENT mas apenas ?no plano teórico?

Em entrevista que publicaremos na próxima edição da revista Turisver, Paulo Fonseca, presidente da Câmara de Ourém, referindo-se à inclusão do turismo religioso no PENT afirmou que ?no plano teórico? se sente ?muito feliz? com esta decisão. Numa entrevista em que se falou das muitas potencialidades turísticas do concelho de Ourém, de Fátima e da sua hotelaria, não era possível fugir à temática do turismo religioso que continua a ser o mais importante produto turístico do concelho. Assim, e respondendo a uma pergunta sobre o facto de o PENT integrar o turismo religioso como produto estratégico poder ser encarado como a resolução completa de um problema pelo qual Ourém muito lutou, o autarca afirmou não estar convencido disso e justificou: ?basta pensarmos que é publicado um PENT com uma lista das prioridades de investimento e de pensamento do país e vermos que na mesma altura o secretário de Estado afirma não achar que seja um bom PENT?. Recordando que em várias entrevistas, o secretário de Estado afirmou que este não era o seu PENT, Paulo Fonseca desabafou: ?se o responsável pelo lançamento de uma medida assume, no momento do seu lançamento, que é contra a medida que lançou, algo está mal explicado e algo necessita urgentemente de uma estratégia diferente?. E sublinhou que uma das funções de um político reside em ?ser mobilizador dos agentes que de alguma forma tutela?. Por isso, critica: ?se o mais importante produto económico que o país pode ter é tratado desta forma pelo governo ? seja este ou outro -, isso significa que as coisas não estão no bom caminho. É por tudo isto que o autarca de Ourém afirma que ?no plano teórico, fico muito feliz por o PENT, depois de muita luta e empenhamento de todos nós, incluir o turismo religioso. Isso significa que alguém acordou porque o turismo religioso tem muito peso e pode ter muito mais, nomeadamente em termos económicos, sociais e de promoção do emprego e geração de riqueza?.