Autarquia da Guarda põe hipótese voltar a ficar com o antigo Hotel Turismo

O presidente da Câmara Municipal da Guarda, Álvaro Amaro, põe a hipótese de “reverter” o negócio da venda do Hotel de Turismo ao Turismo de Portugal, caso a mesma se transforme numa “querela jurídica”.

Passado um ano desde a segunda hasta pública da venda do antigo Hotel Turismo da Guarda, “pese embora todos os esforços” do Turismo de Portugal e do Estado Português, o processo da venda do edifício ainda não foi concluído.
Por isso, alertou que ou o assunto “se resolve agora, tão breve quanto possível, perante a economia do mercado”, ou, caso se venha a transformar-se “numa querela jurídica”, o município que lidera “estará disponível” para reverter o negócio.

O edifício foi vendido em 2010 pela Câmara da Guarda, ao Turismo de Portugal, por 3,5 milhões de euros, para ser recuperado e transformado em hotel de charme com escola de hotelaria, mas o projecto não saiu do papel e o imóvel está de portas fechadas e a degradar-se.

Em 2015, a Direcção Geral do Tesouro e Finanças realizou uma hasta pública para venda do edifício que ficou deserta. O imóvel foi posteriormente colocado à venda, pelo valor de 1,7 milhões de euros, através de um concurso público de arrendamento com opção de compra, mas o processo ainda não está decidido.

Álvaro Amaro fez estas declarações na inauguração da Feira de Turismo Ibérica, na presença do Primeiro-Ministro, António Costa, e da secretária de Estado do Turismo, Ana Mendes Godinho.