Aviação mundial vai precisar de mais 29 mil aviões até 2032

A conclusão é de um estudo da Airbus segundo o qual o tráfego aéreo vai crescer 4,7% ao ano nos próximos 20 anos pelo que, até essa altura, a frota disponível a nível mundial deverá duplicar, atingindo um total de 36.560 aeronaves Até 2032 vão ser necessários mais 29.220 novos aviões para fazer face ao acréscimo da procura, sendo que 28.350 serão de passageiros, o que, segundo o estudo, corresponde a perto de 4,1 mil milhões de dólares. No total de novos aviões incluem-se 10.400 que serão destinados a substituir aeronaves que operam na actualidade. Sendo a actual frota mundial composta por 17.740 aviões, significa que em 2032 deverá duplicar para as 36.560 aeronaves. O crescimento económico, o crescimento das classes médias, a acessibilidade, a facilidade de viajar, a urbanização, o turismo e as migrações são alguns dos factores que fazem aumentar a necessidade de viajar e, por via disso, a dependência da aviação. As companhias aéreas low-cost contribuirão também para este aumento, por estarem a abrir novos mercados, com o estudo da Airbus a prever que em 2032, estas companhias aumentem a sua quota de mercado dos actuais 17% para 21%. Também de acordo com o estudo, a região Ásia-Pacífico, com uma quota de 36%, será líder mundial de tráfego aéreo, daqui a duas décadas, superando a Europa (20%) e a América do Norte (19%). Na actualidade, um quinto da população dos mercados emergentes viaja, em média, uma vez por ano. Dentro de 20 anos, esta realidade abrangerá dois terços da população. O número de passageiros passará assim de 2,9 mil milhões para 6,7 mil milhões, em 2032, explicou John Leahy, director da área de clientes da Airbus, em comunicado. A Airbus prevê também um aumento significativo do tráfego doméstico, com a Índia a registar o crescimento mais acelerado (cerca de 10%), seguida pela China e pelo Brasil (7%). M.F.