Barceló e Globalia acordam fusão das suas divisões de viagens

Espanha acaba de ver nascer um novo “gigante” na área das viagens, em resultado da operação de fusão, concluída esta segunda-feira, das redes de agências de viagens dos grupos Barceló e Globalia. A sociedade nascida da fusão será detida em 50% por cada um dos grupos e vai contar com 36 marcas e mais de 1.500 pontos de venda.

“Enfrentar os novos desafios da indústria” das viagens é, segundo o comunicado da Globalia, o grande objectivo desta operação que foi liderada directamente por Javier Hidalgo e Simón Pedro Barceló. Da fusão irá surgir um novo grupo com 36 marcas, um volume de negócios da ordem dos 3.700 milhões de euros, mais de 6.000 empregados e de 1.500 pontos de venda já que, segundo se lê no comunicado “a companhia não tem intenção de fechar nem uma só loja”.

Segundo o mesmo comunicado, o novo grupo “terá uma presença chave tanto na criação de produto, através das suas várias marcas de tour operação, como na distribuição ao cliente final, de forma presencial e online”. A nova sociedade considera este acordo como “o ponto de partida para continuar a crescer, desenvolvendo e internacionalizando o projecto empresarial”.

Para a sociedade nascida desta fusão, o Grupo Barceló leva os negócios da Ávoris, com as suas marcas B the Travel Brand, Catai, Rhodasol, Bedtoyou, BCD Travels y BCD Meetings & Events, entre outras. A operação inclui também a companhia aérea Evelop.

Da parte do grupo Globalia a operação inclui as marcas Halcón Viajes, Viajes Ecuador, Geomoon, Travelplan, Welcome, Globalia Meetings &E vents, Globalia Corporate Travel e Globalia Autocares.

Javier Hidalgo e Simón Pedro Barceló, citados em comunicado, assinalam que o acordo teve em vista “a criação de um grupo líder” que fazia falta ao turismo emissor espanhol e “envolve a integração de duas grandes empresas que têm uma carreira longa e bem-sucedida no sector de turismo”.

O processo de fusão, concluído esta segunda-feira, 25 de Novembro, esta agora pendente de aprovação por parte das autoridades da concorrência.