Cabo Verde quer mais investimento português

O apelo foi feito pelo primeiro-ministro cabo-verdiano que desafiou mesmo os empresários portugueses a que invistam no país em outras áreas que não a do turismo. Para esses, anunciou, haverá medidas de apoio.

As declarações foram proferidas em Vila da Feira, onde decorreu o Fórum Económico Portugal-Cabo Verde. Ali, Ulisses Correia e Silva deixou claro que é importante para o seu país “atrair mais investidores portugueses com as condições que estamos a criar para melhorar o nível de competitividade”. Defendendo o reforço das relações económicas entre Cabo Verde e Portugal, o governante deixou também claro que “não queremos uma economia de monocultura e tudo o que possa ser desenvolvido ao nível da indústria das tecnologias de comunicação e dos serviços transnacionais para nós é importante”, tal como a indústria têxtil e a área do conhecimento.

Para tornar atractivo o investimento em áreas extra turismo o governo cabo-verdiano “está a criar instrumentos (…) através de um fundo de investimento soberano de 100 milhões de euros”, tendente a ultrapassar possíveis constrangimentos existentes nas instituições bancárias do país.

Outra medida importante  é a “isenção de vistos para cidadãos da União Europeia e do Reino Unido, removendo-se assim uma barreira de mobilidade, com vantagem para as entidades turísticas e também para a circulação de ciência e tecnologia”, frisou.