Cabo Verde quer turistas não só de sol e mar

Cabo Verde quer que os turistas que visitam o destino não procurem apenas o sol e praia, mas também cientistas e estudiosos. Para tal, o governo vai aproveitar a sua biodiversidade biológica para impulsionar e diversificar a economia e as ofertas turísticas.

A intenção foi manifestada pelo ministro do Ambiente, Habitação e Ordenamento do Território cabo-verdiano, Antero Veiga, na cerimónia de lançamento de um projecto sobre a conservação ambiental no país, financiado pelo Fundo Global para o Ambiente (GEF) em 4,1 milhões de euros.

“O turismo vem ganhando novas valências entre nós e a nossa capacidade de iniciativa é interpelada no sentido de desbravar novos horizontes de atracção turística, como, por exemplo, o ecoturismo, isto é, além de sol e praia”, sustentou o ministro.

Para Antero Veiga, no turismo além de sol e praia, ou seja o ecoturismo, as principais ofertas do país incluem as paisagens e a biodiversidade, que atraem não só turistas, como também cientistas e estudiosos de outras paragens ao arquipélago.

Antero Veiga salientou que o projecto sobre a conservação da biodiversidade no sector do turismo vai reforçar a acção no que diz respeito à preservação ambiental no país, que tem neste momento 46 áreas protegidas e já identificou mais oito em quatro ilhas no quadro do projecto.