Câmara de Proença-a-Nova vende Hotel das Amoras

A Câmara de Proença-a-Nova alienou, em hasta pública, a totalidade da participação que detinha no capital social da empresa municipal Proençatur, entidade gestora do Hotel das Amoras, por 650.500 euros.

O processo vai agora passar por sessão de Câmara e depois, ainda durante o mês de Fevereiro, será ratificado pela assembleia municipal de Proença-a-Nova.

João Lobo, presidente da autarquia, citado pela imprensa local, considera que “entramos num novo ciclo relativamente a este equipamento e acho que será de sucesso pelo novo fôlego que a gestão privada realizará no Hotel das Amoras”, criando uma maior capacidade de atractividade, sendo que se trata de “um equipamento âncora na estratégia de Proença-a-Nova””, para lembrar que “nos últimos dez anos conseguimos construir e dotar o concelho de uma rede de oferta turística que nos torna atractivos enquanto território”.

A hasta pública decorreu no edifício dos Paços do Concelho, sendo que o valor da base de licitação foi de 650 mil euros, não sendo admitidas propostas de valor igual ou inferior. Surgiram duas propostas, uma das quais não foi aceite pelo júri por ter sido entregue fora do prazo definido, sendo que ficou apenas uma única proposta validada, pertencente a uma empresa com experiência no ramo hoteleiro e que tem sede em Parede.

João Lobo espera que na próxima época alta o hotel esteja já em funcionamento com a nova gestão, sendo que o município e a própria assembleia municipal ressalvaram no caderno de encargos um conjunto de obrigações a cumprir pelo adjudicatário, entre eles, a obrigatoriedade de manter a actividade do estabelecimento hoteleiro durante o período mínimo de dez anos, com classificação no âmbito da tipologia e a categoria do empreendimento turístico de quatro ou três estrelas e a manutenção dos postos de trabalho.

Refira-se que a alienação da empresa municipal Proençatur já tinha sido tentada por duas vezes, a última em 2014, sem qualquer sucesso.