Candidatura de Miguel Quintas à APAVT estuda criação de plataforma de vendas online

O programa da candidatura prevê o desenvolvimento “em conjunto com as agências associadas” da APAVT, de “um estudo para identificar em que condições se poderá implementar” esta plataforma de vendas online para as agências que o desejem.

O objectivo, segundo a candidatura, é o de “posicionar as agências portuguesas num patamar mais competitivo para encarar o futuro que se aproxima” tornando a venda online acessível a todas as agências associadas, sejam de incoming ou de outgoing, “através de um site nacional de vendas”.

A plataforma ainda “carece de um estudo de impacto e viabilidade financeira, mas Miguel Quintas acredita que “entre todos os fornecedores e agentes, seguramente o investimento será diminuto e portanto, vejo com muito bons olhos a sua implementação no que se refere ao investimento necessário”. O candidato avança que “tecnologicamente a solução é viável e existem várias ferramentas no mercado que poderão suprir esta necessidade”.

Para o candidato, “a venda online, isenta, unida e independente é fundamental para combater a enorme concentração dos grandes players internacionais que actualmente atuam também no nosso mercado” e o facto de por trás de uma plataforma deste tipo existir uma APAVT, uma agência de viagens física e um Provedor do Cliente, “trará maior segurança de compra ao cliente final.”