Congresso AHP: David Neeleman quer TAP com 70 voos para os EUA em três anos

O accionista da TAP que falava nos Congresso da AHP que decorre nos Açores, no painel “Portugal e os EUA. O mercado, o turista e a acessibilidade” referiu-se aos Estados Unidos como sendo o novo Brasil para a TAP. Mas há um constrangimento, o aeroporto de Lisboa que, afirmou, “está fechado”. E quanto ao Montijo se as low cost não quiserem a TAP pode ir.

Neeleman deixou claro que quer aumentar dos actuais 25 para 70 voos semanais “pelo menos” para os Estados Unidos nos próximos 3 anos, podendo este número aumentar mesmo até aos 84. Para isso no entanto, há que resolver o problema do aeroporto de Lisboa. “O aeroporto já está fechado e isso é um grande problema” considerou, sublinhando a necessidade de o Governo tomar rapidamente decisões sobre este processo pois levará dois anos até que a nova infra-estrutura fique pronta.

Deixou mesmo um desafio aos hoteleiros que lidam com ocupações médias anuais ainda em torno dos 60%: Face a estes resultados, às perspectivas de crescimento turístico e aos constrangimentos do aeroporto “vocês deviam gritar mais do que nós porque vão ficar “fritos””.

Afirmando que o Montijo “é um bom aeroporto para as low cost porque está muito próximo de Lisboa” Neeleman foi mesmo mais longe ao dizer que “se as low cost não quiserem ir para o Montijo talvez a gente vá”.

O accionista da TAP frisou ainda o grande número de passageiros que voa na companhia para a Europa mas não fica em Lisboa, algo que a transportadora está a tentar combater através do programa de stopover.

*Reportagem completa na próxima edição da Turisver

**Turisver.com nos Açores a convite da AHP