Crescimento do turismo deve ser aproveitado para “olhar para os salários”

“Devíamos aproveitar esta situação de crescimento do turismo e de falta de mão-de-obra para olhar de uma forma mais atenta para os salários, que são extremamente baixos”, comentou ao Turisver.com o presidente da ADHP, Raúl Ribeiro Ferreira, à margem da Bolsa de Empregabilidade que decorreu na BTL.

O presidente da Associação dos Directores de Hotéis comentava ao Turisver.com as declarações feitas na abertura da Bolsa de Empregabilidade pela secretária de Estado do Turismo que desafiou os jovens a exigirem mais das entidades empregadoras, nomeadamente em termos da dignificação das profissões.

Para o presidente da Associação dos Directores de Hotéis “a falta de mão-de-obra que vai haver, vai ajudar a subir os ordenados” mas sublinha que “é preciso prender as pessoas” porque “é difícil exigir a um jovem que estude uma série de anos e que saiba um leque alargado de coisas para depois lhe oferecermos 500 ou 600 euros”. Este afirma, “é um problema que tem que ser resolvido rapidamente porque de contrário não vamos conseguir fixar mão-de-obra qualificada”.

A propósito alerta que “todas as escolas dizem que estão com 100% de empregabilidade, mas ninguém vai estudar o que acontece 10 anos depois”. Referindo o caso da hotelaria onde “50% das pessoas que trabalham no sector são indiferenciadas”, deixa uma interrogação: “tendo nós formação na área da hotelaria há tantas décadas, para onde estão a ir essas pessoas? Porque é que as pessoas saem da profissão?”.

Sobre a dignificação das carreiras do turismo considera que “todos nós ainda estamos um pouco órfãos” porque “as categorias profissionais acabaram, não há carteiras profissionais, há apenas uma certificação que não liga com o código de trabalho, onde ainda estão inscritas as carreiras profissionais”.

Sobre a Bolsa de Empregabilidade que se realizou pelo terceiro ano consecutivo no âmbito da BTL, o presidente da ADHP considerou ser uma iniciativa “importante porque é feita a ligação entre as escolas e o mercado de trabalho”. O mérito desta Bolsa, afirma “reside no facto de se conseguir recursos humanos mais qualificados por se tratar de jovens que estão a sair das escolas”.