CTP apela à reavaliação das restrições à circulação dos autocarros de turismo em Lisboa

A CTP “defende o crescimento sustentável do Turismo na cidade de Lisboa, ao qual estará sempre associado um modelo de mobilidade urbano eficaz e adaptado às necessidades da capital”, mas entende que “deverá ser procurado um equilíbrio na definição desse modelo, que não comprometa actividades económicas tão relevantes para o desenvolvimento sócio-económico de Lisboa como é o caso do Turismo”.

Francisco Calheiros, presidente da Confederação do Turismo Português comenta assim as restrições que a Câmara Municipal de Lisboa acaba de impor à circulação dos autocarros de turismo em determinadas áreas da cidade.

Para a CTP, esta decisão tem impacto negativo na actividade turística, nomeadamente, junto das empresas que actual no segmento MICE (Meetings, Incentives, Conferences, Exhibitions).

Assim, a CTP apela a Câmara Municipal de Lisboa a suspender a medida, de forma a reavaliar o seu efeito económico e empresarial e ajustá-la no quadro de um diálogo aberto e construtivo com os agentes do Turismo.

Como o turisver.com noticiou, entrou em vigor, no passado dia 1 de Agosto, a proibição de circulação de autocarros turísticos ocasionais nas zonas da Sé e Castelo de São Jorge. A medida imposta pela Câmara Municipal de Lisboa deverá ser alargada, em Setembro, ao eixo Cais do Sodré-Rua do Alecrim-Príncipe Real-Largo do Rato. Por outro lado, a autarquia anunciou estar em estudo a possibilidade de alargar a interdição de circulação de autocarros turísticos em serviço ocasional à Av. Infante Santo, Estrela, Av. da Liberdade, Almirante Reis, Chile, Morais Soares, Paiva Couceiro e Santa Apolónia. De referir que, fora desta medida que parece agradar apenas aos moradores, ficaram os autocarros panorâmicos.