DGS recomenda vacina contra a febre-amarela a quem viaje para o Brasil

A Direcção-Geral da Saúde emitiu esta terça-feira um comunicado em que recomenda a vacinação contra a febre-amarela e a adopção de medidas de protecção individual a todos os que viajarem para o Brasil. Na base da recomendação está o aumento de casos de febre-amarela naquele país.

No comunicado emitido, a Direcção-Geral da Saúde remete para uma informação veiculada já este mês pela Organização Mundial da Saúde sobre “o aumento do número de casos de febre-amarela no Brasil, nos Estados de São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais e Distrito Federal [Brasília]”.

Assim, e como medida de prevenção, a DGS recomenda “a vacinação e a adopção de medidas de protecção individual contra a picada de mosquitos, responsáveis pela transmissão da doença”, informando que a recomendação da Organização Mundial da Saúde se estende agora também a todos os viajantes internacionais “com destino a qualquer área dentro do Estado de São Paulo, incluindo zonas metropolitanas”.

A Direcção-Geral da Saúde aconselha assim aos viajantes com destino ao Brasil que marquem uma Consulta do Viajante ou com o Médico Assistente, pelo menos 4 semanas antes da partida; que sejam vacinados contra a febre-amarela “pelo menos 10 dias antes da partida, se aplicável (uma única dose da vacina é suficiente para conferir imunidade sustentada e protecção para toda a vida)” e que tomem algumas medidas de protecção individual  contra a picada de mosquitos, nomeadamente, a aplicação de repelentes, explicando que “se tiver de utilizar protector solar e repelente, deverá aplicar primeiro o protector solar e depois aplicar o repelente”. Aconselha ainda a utilização de redes mosquiteiras em carrinhos de bebé, berços e alcofas, também “sobre as camas entaladas no colchão”, em janelas, etc, bem como o uso de roupa larga e que cubra a maior parte possível do corpo (incluindo pés).

A DGS avisa ainda que “os viajantes que, até 12 dias após o regresso, apresentem sintomas sugestivos da doença (febre, calafrios, dores de cabeça intensas, dores musculares, fadiga, náuseas e vómitos), devem contactar o SNS 24 (808 24 24 24 – http://sns24.gov.pt/) ou consultar o médico, referindo a viagem recente”.

A evolução da situação no Brasil pode ser acompanhada através dos sites http://portalsaude.saude.gov.br/ ou https://ecdc.europa.eu/en/yellow-fever/threats-and-outbreaks/distribution-Brazil . Para mais informações sobre a vacinação e outros cuidados, contactar a Consulta do Viajante.