Empresários de Cabo Verde preocupados com aumento de impostos

Os agentes económicos do turismo de Cabo Verde estão, no ano que agora se inicia, a viver a expectativa de saber como vão reagir os mercados internacionais ao aumento do IVA de 6% para 15%, e à criação da taxa de turismo de 2,00 euros por noite. A Câmara do Turismo, entidade empresarial do sector, já considerou que este conjunto de imposto, vai retirar competitividade ao destino e lembra que pode colocar um travão ao crescimento da procura que Cabo Verde tem tido nos últimos anos. Este crescimento tem-se acentuado e nos primeiros nove meses do ano passado, a hotelaria de Cabo Verde recebeu um total de 389 mil hóspedes, 17,3% a mais que em igual período de 2011, segundo dados do Instituto Nacional de Estatística cabo-verdiano (INE), que confirma também Portugal como segundo mercado emissor de turistas para o arquipélago, só superado pelo mercado britânico. De acordo com a mesma fonte, além do número de hóspedes, a hotelaria do arquipélago cresceu também em dormidas, contabilizando um total de 2,45 milhões de dormidas, + 22,4% que no período homólogo de 2011. As vendas junto dos principais operadores que trabalham o destino para este Inverno, segundo os hoteleiros, estão boas, e perspectiva-se um dos melhores períodos de sempre na ocupação hoteleira. No entanto a preocupação surge quando se fala das reservas para o Verão, sobre as quais já impenderão aumento de impostos, e segundo um hoteleiro da Ilha do Sal “já se pode vir a sentir alguma retracção na procura”.