ET 2027: Apresentado na BTL o plano para “liderar o turismo do futuro”

Discutida durante quase um ano com o sector, a Estratégia Turismo 2027 foi apresentada esta quarta-feira na abertura da BTL. Tendo como mote “Liderar o turismo do futuro”, o plano tem como um dos objectivos mais do que duplicar as receitas turísticas na próxima década. A apresentação contou com a presença do ministro da Economia, da secretária de Estado do Turismo e do presidente do Turismo de Portugal.

Apresentada esta quarta-feira na Bolsa de Turismo de Lisboa, a Estratégia Turismo 2027 aponta metas de natureza económica para dormidas e receitas turísticas, com um claro foco na coesão territorial e no crescimento em valor, pretendendo duplicar em 10 anos as receitas turísticas, passando de 12,7 mil milhões de euros em 2016 para 26 mil milhões de euros em 2027 e estimular a procura turística no país e nas várias regiões, aumentando o número de dormidas de 53,5 milhões (2016) para 80 milhões.

São também definidas três metas no plano social, nomeadamente: alargar a actividade turística a todo o ano, propondo-se chegar em 2027 ao índice de sazonalidade mais baixo de sempre, concretamente para 33,5% quando actualmente se está em 37,5%; aumentar as habilitações dos profissionais do turismo, duplicando o nível de qualificações do ensino secundário e pós-secundário, de 30% para 60% e assegurar que o turismo gera um impacto positivo nos territórios em que a actividade turística acontece. Além disso são também definidas metas ambientais relativas à gestão da energia, água e resíduos, por parte das empresas do turismo, áreas em que se pretende atingir um índice de 90%.

Valorizar o território, impulsionar a economia, potenciar o conhecimento, gerar redes e conectividade e projectar Portugal são os cinco eixos estratégicos que a ET 2027 tem por base.

“Apresentámos uma série de activos estratégicos que consideramos como os mais importantes que nos diferenciam face à concorrência, aqueles onde temos mais hipóteses de concorrer com os restantes destinos turísticos mundiais”, explicou Luís Araújo, presidente do Turismo de Portugal, assegurando vai ser “nestes eixos estratégicos que vamos apostar”.

Em declarações à imprensa, à margem da apresentação, Luís Araújo disse acreditar que “o trabalho que vai ser feito ao longo destes dez anos claramente renderá frutos e trará grandes benefícios para o País”, mas avançou também que há já iniciativas delineadas para os próximos três anos. “Existe um plano de acção que já foi definido e incluído nesta estratégia e que é um plano de acção para os próximos três anos”, afirmou.

*Leia mais na próxima edição da Turisver