EUA intensificam controlo a turistas com isenção de visto

O Departamento de Segurança Nacional dos Estados Unidos da América anunciou, na passada sexta-feira, que as medidas de segurança se vão acentuar para a entrada no país de turistas oriundos de países isentos de visto, como é o caso de Portugal.

As medidas abrangem 38 países, maioritariamente europeus, e foram postas em prática de imediato. Os visitantes sujeitos ao Programa de Isenção de Vistos, que permite uma autorização de entrada nos EUA sem necessidade de visto para períodos inferiores a 90 dias, necessitam agora de uma “autorização de viagem” para entrar no país, segundo a Reuters.

Uma das alterações anunciadas é que países cujos 2% dos cidadãos que viajam para os EUA permaneçam mais do que o período autorizado tenham de realizar campanhas de sensibilização pública relativamente às consequências destes actos. Uma das punições é que esses cidadãos não possam voltar a viajar para os Estados Unidos sem visto. Segundo dados fiscais de 2016, Portugal ultrapassa o limite dos 2%, tal como a Hungria e a Grécia.

Os Estados Unidos vão ainda garantir que os países sob o Programa de Isenção de Vistos salvaguardem os seus próprios aeroportos de “ameaças internas”, em especial os aeroportos com voos directos para os EUA. A administração norte-americana exigiu que implementem os acordos de intercâmbio de informação vigentes e querem que os 38 países beneficiários forneçam informações pormenorizadas sobre cidadãos de países terceiros que fazem escala para seguir até aos EUA.

Altos funcionários do Departamento de Segurança Nacional salientaram que os Estados Unidos partem de uma “perspectiva colaborativa”, mas que os países que não cumprirem as exigências podem vir a ser punidos, sendo que entre as medidas punitivas encontra-se a possibilidade desse país ser excluído do programa de isenção de vistos.