Chocalhos alentejanos já são património cultural imaterial da Unesco

O Fabrico de Chocalhos já é Património da Humanidade, título que conquistou esta terça-feira na 10.ª reunião do Comité Intergovernamental para a Salvaguarda do Património Cultural Imaterial da Unesco.

A candidatura, liderada pela Turismo do Alentejo / Ribatejo – em estreita parceria com a Câmara Municipal de Viana do Alentejo e a Junta de Freguesia de Alcáçovas – visou alcançar o reconhecimento universal de uma arte identitária da região, mas também a sua valorização e salvaguarda.

É no Alentejo que o Fabrico de Chocalhos, uma arte iniciada há mais de dois mil anos na região, tem a maior expressão a nível nacional, uma vez que abrange três municípios, ou seja Estremoz, Reguengos de Monsaraz e Viana do Alentejo, mais concretamente a freguesia de Alcáçovas. Os autarcas destacam que este selo atribuído pela Unesco vai permitir alavancar o desenvolvimento concertado do turismo do Alentejo.

Entretanto, segundo o presidente da Turismo do Alentejo / Ribatejo, António Ceia da Silva, “a identidade é um valor determinante na diferenciação e certificação de um destino turístico”, logo o título agora conquistado “vem reforçar, junto dos mercados, a singularidade e diversidade de um Alentejo que se posiciona pela excelência e singularidade”.

Destaque-se que, depois do título de Património da Humanidade atribuído ao Cante Alentejano em 2014, este é o segundo ano consecutivo que o Alentejo vê um bem identitário do território reconhecido pela Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura.