Falência da Monarch deixa 110 mil em terra e anula 300 mil reservas

A notícia da falência da Monarch Airlines foi avançada esta segunda-feira pela Autoridade de Aviação do Reino Unido. A situação deixa em terra cerca de 110.000 passageiros e anula as cerca de 300 mil reservas já realizadas. Portugal será um dos destinos afectados, já que a companhia voava para Lisboa, Porto, Faro e Funchal.

A companhia britânica encerrou já a sua actividade, conforme se pode verificar no seu site oficial, e os voos desta segunda-feira foram cancelados sem nota prévia. Sem forma de regressar a casa estão cerca de 110 mil passageiros, segundo informou a Autoridade de Aviação do Reino Unido, uma situação que levou o Governo britânico a pedir o aluguer de mais de 30 aviões, para proceder ao seu repatriamento, tendo pedido aos passageiros que iriam voar esta segunda-feira para não se dirigirem aos aeroportos.

Admitindo que esta é uma situação “sem precedentes”, a Autoridade de Aviação do Reino Unido garantiu que os passageiros que estão no estrangeiro irão regressar ao seu país sem custos acrescidos.

O encerramento imediato das operações da companhia implica ainda a anulação de 300 mil reservas já feitas.

Numa mensagem enviada aos trabalhadores da empresa, o presidente executivo da companhia, Andrew Swaffield, citado pela Agência Reuters, lamenta o desfecho da Monarch Airlines: “Lamento verdadeiramente que isto tenha terminado assim”, afirma, tendo acrescentado que “muitos fornecedores vão sofrer enormemente com a nossa falência, facto que lamento igualmente”.

A Monarch é a quinta companhia aérea do Reino Unido e, apesar de ter enfrentado nos últimos anos, dificuldades inerentes à quebra de destinos como a Turquia e o Egipto, transportou 6,3 milhões de passageiros o ano passado. Para Portugal, voava para Lisboa, Porto, Faro e Funchal. No início de Junho, a companhia avançava com a previsão de transportar 755 mil passageiros nas rotas portuguesas durante este Verão, num crescimento de 30% face a igual período do ano anterior.