Fórum Vê Portugal: Novos turistas exigem novas ofertas

Os turistas de hoje são cada vez mais jovens e solteiros, há uma tendência cada vez maior de movimento de turistas que viajam a solo, e os seniores são cada vez mais activos, são segmentos que, segundo o presidente do IPDT, Jorge Costa, acarretam “um conjunto de características que deveremos ter em conta ao desenvolver produtos e ofertas”.

Jorge Costa que falava no painel sobre novas tendências da procura turística no V Fórum Vê Portugal, na Guarda, centrou-se sobre a necessidade de gerar inovação, antecipar tendências, satisfazer expectativas e adaptar a oferta a novas procuras, num mercado global que, de acordo com a OMT, movimentava 25 milhões de turistas em 1950, que terminou o ano de 2017 com 1.322 milhões e estima em 2030 ultrapassar 1.8 mil milhões de chegadas internacionais.

O presidente do IPDT fez uma análise dos viajantes do século XXI, segmentando em vários perfis, com objectivos e idades diferentes, e alertou os operadores para a necessidade de conhecer o perfil dos turistas e adaptar o produto as novas exigências, entendendo o poder da internet, e que a fidelização não deve ser estudada hoje como era nos anos 80.

Nos dados que deu a conhecer, 85% da geração millenials recolhe informações sobre viagens na internet, 94% partilha as suas experiências nas redes sociais e 76% dá a sua opinião em plataformas digitais. Posto isso, Jorge Costa destacou que nas três grandes portas de entradas, designadamente, Porto, Lisboa e Faro é preciso “criar ofertas diversificadas e diferenciadoras”, desafios que competem também às restantes regiões portuguesas se querem captar uma fatia deste crescimento exponencial do turismo a nível mundial. Até porque também fazia parte do painel, Rong Huang, professora na Universidade de Plymouth, em Inglaterra, que dedicou a sua intervenção ao crescimento exponencial de viagens de chineses para a Europa, alertando para a necessidade de compreender essa população com uma cultura muito diferente da europeia, mas que tem como motivações a história, a cultura e as compras, produtos que podem fazer a diferença na escolha por Portugal.