Francisco Calheiros lamenta falta de respostas directas de Portas

“Foram dois jantares completamente diferentes”. Foi assim que Francisco Calheiros, presidente da Confederação do Turismo Português se referiu, em declarações ao Turisver.com, aos dois jantares-debate realizados pela CTP com o secretário-geral do PS, António Costa, a semana passada, e ontem com o presidente do CDS-PP, Paulo Portas, em representação da Coligação Portugal à Frente.

Considerando “normal” esta diferença quando pela frente se tem, por um lado, o líder do maior partido da oposição, e por outro um membro do governo, Francisco Calheiros precisou que enquanto “a oposição fez propostas concretas” Paulo Portas preferiu não o fazer e, embora tivessem sido “colocadas várias questões” pelos empresários presentes na sala, “estas não foram respondidas directamente”.

O líder do CDS-PP, continuou o presidente da CTP, “preferiu fazer alertas sobre o que aconteceu em vários países, como na vizinha Grécia, em que de facto tudo baixou mas depois tudo aumentou para o dobro”. Frisou também o facto de Portas ter “tocado muito na tecla do aumento da capacidade do poder de compra dos portugueses que irá levar a que se gere mais turismo interno, jogou nos 30% do consumo interno que é feito pelos portugueses, na quebra que isso teve mos últimos anos, dizendo que ao repor as sobretaxas de IRS esse consumo interno iria ser muito importante”.

Em resumo, Francisco Calheiros diria ao Turisver.com que esta “foi uma forma completamente diferente de ver o assunto, sem ter assumido compromissos”.