Frederico Costa: “Gostávamos de ter uma Pousada no centro do Porto”

O administrador das Pousadas de Portugal, Frederico Costa, revelou que “gostávamos de ter uma pousada no centro do Porto”, realçando que o objectivo do Grupo Pestana Pousadas “é crescer nos próximos três anos”.

“Estamos atentos à oferta, às oportunidades e prioridades”, disse para acrescentar que a ideia passa pela exploração de património ao invés de aquisição, mas “dificilmente olharemos para unidades com menos de 40 ou 50 quartos”.

A internacionalização da marca está também nos objectivos do grupo, mas para que o que pretendemos “é consolidar em Portugal”, afirmou Frederico Costa.

Até 30 de Setembro, as Pousadas de Portugal cresceram 19,4% face ao mesmo período do ano anterior e só no Verão subiram 17,7%, o que demonstra que o maior crescimento se está a fazer sentir-se fora da época alta, realçou esta quarta-feira, o administrador da rede.

Frederico Costa que falava aos jornalistas, na apresentação do novo conceito de pequenos-almoços que vai ser introduzido em toda a rede, referiu a previsão de crescimento este ano é acima dos 17% face ao ano passado. A taxa de ocupação esteve nos 59% até final de Setembro, com um preço médio de 109 euros e uma estadia média de 1,86 dias.

Segundo o executivo, 39% dos hóspedes das Pousadas de Portugal são nacionais e 69% estrangeiros, sendo as principais nacionalidades o inglês e o alemão, e estando ao mesmo nível o francês, o holandês e o norte-americano. Este último deverá, até ao final do ano, subir à terceira posição.

Nos resultados, disse Frederico Costa, a unidade que mais ressalta é a Pousada de Lisboa, indicando também as do Algarve, de Óbidos, Viana do Castelo e Serra da Estrela, enquanto em relação aos proveitos, 65% provém do alojamento e 35% do F&B, traduzindo-se num total de 329 mil hóspedes até 30 de Setembro, e 649 mil refeições.