Funchal eleito como Município do Ano Regiões Autónomas

A capital da Madeira foi eleita como Município do Ano Regiões Autónomas em 2017, atribuído pela Universidade do Minho, através da plataforma UM-Cidades na quarta edição do concurso Município do Ano Portugal.

O Funchal concorreu a par com os municípios da Horta, Madalena e Ribeira Grande, nos Açores, tendo saído vencedor do Município do Ano Regiões Autónomas 2017. A cidade madeirense foi distinguida pela sua Estratégia Municipal de Turismo, com Sandra Nóbrega, chefe da Divisão de Cultura e Turismo da Autarquia, a receber o prémio na cerimónia do passado dia 27 de Julho, no Fundão, em nome do presidente Paulo Cafôfo.

É a segunda vez que o Funchal recebe este prémio, após na edição inaugural de 2014 ter saído vencedor na mesma categoria. O município tem apostado, desde o lançamento da Estratégia Municipal de Turismo, numa melhor divulgação do seu produto turístico, procurando comunicar adequadamente o destino, bem como “proporcionar experiências únicas aos seus visitantes que honrem a nossa reconhecida arte de bem receber, mas sem medo de modernizar e diferenciar”, refere Paulo Cafôfo, presidente da Câmara Municipal do Funchal.

Desde o lançamento em Janeiro de 2016 foi lançado o portal Visit Fuchal e o Funchal Card, foi criado um posto de turismo municipal, disponibilizadas aplicações móveis como o JiTT.Travel, mapas como o USE-it e roteiros acessíveis da cidade. Foram abertas infra-estruturas de desporto e lazer, como o Lido e o Skatepark do Funchal, e houve um investimento na oferta cultural. “Hoje o Funchal é uma cidade mais inteligente e muito mais preparada para lidar com o Turismo, aquela que é a nossa principal actividade económica”, conclui Paulo Cafôfo.

O concurso Município do Ano Portugal visa reconhecer as boas práticas de projectos implementados pelos municípios com impacto no território, na economia e na sociedade, promovendo o crescimento, a inclusão e a sustentabilidade. Procura também colocar na agenda a territorialização do desenvolvimento e valorizar realidades diversas que incluam as cidades e os territórios de baixa densidade nas diferentes regiões do país.